Translate

domingo, 15 de julho de 2012

Os Precursores do Espiritismo



Os precursores
 do Espiritismo

            Possivelmente, além dos poucos precursores que mencionamos nestes artiguetes, muitos outros houve de cuja existência nada sabemos por não conhecermos as línguas em que escreveram.  Que sabemos nós do movimento espírita em todo o mundo eslavo e entre os povos orientais? Realmente, quase nada. Limitamo-nos ao mundo latino e aos povos de língua inglesa, porque,  para nossa finalidade, esse pouco basta.              

            Como vimos no artiguete anterior, no mundo de língua inglesa o movimento foi iniciado mais cedo do que na França e formou uma espécie de Igreja com seus pastores e pastoras, com rituais e sacramentos. Temos a edição de 1944 do "Spiritualist Manual", no qual são reimpressos pela sétima vez os ensinos e ritual daquela escola, e vemos que ministram um sacramento de admissão de candidatos à Igreja, o qual equivale ao batismo nas igrejas cristãs primitivas; outra cerimônia de dar nome às crianças (Service of Naming Children) em lugar do batismo das atuais Igrejas cristãs. esse sacramento termina com uma dedicação da criança ao serviço do bem, nos seguintes termos:

            O Ministro põe flores na mão da criança e repete o seu nome e diz:
            - No conhecimento, solidariedade e grandeza do Evangelho do Espiritismo, nós te consagramos ao Doador de todas as boas dádivas, ao serviço do mundo angélico, à Humanidade e à verdade, para sempre." (Pág. 79. Ob. cit.) ,

            Para celebrarem casamentos, vêm no ritual duas fórmulas diferentes, mas ambas muito semelhantes na essência às das Igrejas.

            Finalmente, vemos no ritual a cerimônia fúnebre dos enterros ou exéquias. Bastam essas notas para ficar claro que o Espiritismo no mundo de língua inglesa já se tornou uma Igreja, uma ortodoxia, quanto à organização geral e humana. Uma nota no ritual esclarece que só a Associação Nacional pode ordenar ministros, tal faculdade não é conferida às Associações Estaduais.

            Na página 170 do mesmo volume fica uma justificação de que os médiuns, do mesmo modo que os ministros e padres, têm direito a receber honorários pelos seus serviços ( !) . Na página 176 fica dogmaticamente negada a reencarnação (!).

            Parecem-nos suficientes estas notas para demonstrar que o Espiritismo organizado no mundo anglo-saxão seguiu um caminho muito diferente do nosso; já é de fato uma ortodoxia e chama aos seus centros de Igrejas (Churches). Não queremos criticar, mas somente apresentar fatos, deixando a crítica ao leitor inteligente. Isso quanto ao Espiritismo ORGANIZADO, porque os Espíritos se reservam sempre o direito de estar em desacordo com as organizações e ortodoxias humanas.



              Na escola francesa que seguimos, porque aceitamos as obras de Kardec e Roustaing como fundamentais, e as de muitos outros autores do mundo latino como complementares, tudo segue caminho bem diferente: nenhum médium pode receber remuneração, ninguém e nenhuma instituição pode dar ou receber ordens sacerdotais ou ministrar sacramentos; não aceitamos a codificação de Kardec como dogmas de uma ortodoxia, mas somente como as bases de coisa ilimitadamente grandiosa, que irá crescendo pelos futuros séculos e milênios sem estacionar nunca.

            Vemos que os homens tenderam muito no mundo anglo-saxão, como tendem um pouco entre nós, para pear a Revelação e prende-la em dogmas do passado, em livros "sagrados" que deveriam limitar todo o progresso futuro e fossilizar os conhecimentos. estabelecendo um nec plus ultra à obra dos Espíritos. É próprio da limitação humana essa luta contra o progresso, essa tendência para "organizar" os conhecimentos e fazê-los estagnar, declarando que tudo já está revelado dentro da sua pequenina seita e tudo mais é heresia, é obra das trevas. Não faltam entre nós esses cavaleiros andantes, esses quixotezinhos, na "defesa" de Allan Kardec, como não faltam na Igreja Católica os "defensores de Deus". Querem um Espiritismo bem pequeno, bem limitado no tempo e no espaço; mas, em oposição a essa estreiteza da visão humana, quão grandiosa ,é a obra divina que se está formando pela mediunidade!

            O homem estabelece seus dogmas, seus limites. fecha o seu Espiritismo numa celazinha sem luz, mas os Espíritos continuam ensinando as coisas mais sublimes e produzindo uma literatura majestosa que vai conquistando o mundo a despeito de todas as limitações sectaristas! Diante das obras mediúnicas publicadas nestes últimos vinte anos, preparadoras de uma compreensão infinitamente mais grandiosa da vida do que todos os dogmas humanos, sentimos com AIlan Kardec que "em Espiritismo estamos no A B C e nunca havemos de chegar ao fim"! Realmente, esse fim não existe: tudo se transforma, tudo melhora, tudo se embeleza, tudo cresce e o homem também crescerá sempre!

            Longe de serem contraditórias as obras que os Espíritos ditam nos diversos países e em todas as línguas, são infinitas modalidades das infinitas formas de vida do Universo; é uma grandiosa distribuição do trabalho destinado a  reunir-se um dia num Imponente todo que será novo ponto de partida para maiores ascensões, para mais altas conquistas. Muito acima das nossas atuais limitações humanas, já se revela nessa literatura um Plano Superior, uma Alta Direção que trabalha na eternidade do tempo, preparando sempre novos degraus da evolução.

            Se o homem se fecha em estreitos dogmas e transforma um momento da Revelação em ortodoxia com seus livros sagrados intangíveis, comprazendo-se nas trevas de sua própria ignorância, os Espíritos Superiores passam além desses dogmas e buscam outros homens para receberem os seus ensinos; promovem a encanação de outros médiuns em outras rodas. Nomes não lhes importam: Judaísmo, Cristianismo, Catolicismo, Evangelismo, Espiritismo, Teosofismo, são palavras cunhadas pelo homem que pouco interessam à Alta Direção da evolução da obra divina.

            Os precursores do Espiritismo sofreram muito e tiveram muita bravura no cumprimento de suas penosas missões. Merecem todo o nosso respeito, toda a nossa gratidão. Desbravaram terreno dos preconceitos humanos para que o mundo pudesse receber os. tesouros do Mundo Espiritual que nos estão chegando hoje; assentaram as bases de uma nova civilização que já está tomando forma em nossos dias; quebraram as cadeias que encarceravam o pensamento humano. Os fanatismos estão forjando sempre novas cadeias, mas não conseguem encerrar os Espíritos Superiores. A Revelação caminha sempre para cima, eleva-se sem cessar, no sentido de libertar as consciências e dar novos ideais ao homem.

            Tempo virá em que os nomes de todos os pioneiros do Espiritismo serão lembrados com amor e reconhecimento.



Lino Teles
 (Ismael Gomes Braga)
in Reformador (FEB) Jun 1945
PS
Do Blog:
Da Inglaterra não dispomos de informações recentes. Em Paris, França, nos deparamos com a Livraria Leymarie que vende títulos como o que vai acima, com a imagem de Kardec e do próprio Leymarie na capa, para o aprendizado da leitura de cartas de Tarô e assemelhados. Com a palavra os nossos confrades da Inglaterra e da França.

Nenhum comentário:

Postar um comentário