Pesquisar este blog

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

As Religiões


As Religiões
 por Virgínia
Reformador (FEB) Janeiro 1946

É incontável o número de religiões espalhadas pela Terra. Todas contém adeptos fervorosos e falsos crentes. Todas se apresentam como únicas portadoras da Verdade. Quase todas se odeiam e se guerreiam, empregando armas que o bom senso rejeita e os ensinamentos do Cristo repelem.

Cristo, o Mestre, o Salvador, deve sentir-se mal ao ver que seus Evangelhos são interpretados tão diferentemente, provocando lutas em seu nome.

Entre os chamados cristãos encontraremos centenas de seitas e de religiões, crendo umas que o mau irá para o purgatório ou diretamente para o inferno; outras, que não existe purgatório, mas só inferno, lugar onde o Pai de Bondade atira os filhos que erram; outras, finalmente, que admitem sofrimentos durante a vida corpórea e depois desta, até que o Espírito se purifique.

Assim, para o católico-romano o indivíduo mau irá para o purgatório ou para o inferno. Se for para aquele, com missas e preces pagas poder-se-lhe-á apressar a ida para o Céu mas se for para o inferno, neste ficará eternamente entregue às perversidades do demônio.      

Para o protestante, o indivíduo mau irá diretamente para o inferno, sem escala pelo purgatório, que eles asseveram não existir: É ruim, fogo nele.

Para o espírita, o homem mau ficará sofrendo no espaço ou reencarnará para expiar suas faltas e repará-las, até que, em reencarnações sucessivas, possa alcançar a sua felicidade.

Uns apresentam o Senhor como severo e inflexível; outros o têm como Pai de misericórdia e amor, Pai que observa os erros dos seus filhos, mas, ao invés de castigá-los pela eternidade sem fim, oferece-lhes os meios de salvação.

De qualquer forma, porém, diz-nos a própria razão que os que seguirem contritos as recomendações da sua religião, seja ela qual for, apesar de tais ameaças, terão as bênçãos de Deus, sempre oferecidas para que nenhuma de suas criaturas fique eternamente entregue à dor.

Não basta, porém, dar dinheiro para construções de igrejas, de templos ou de asilos, não basta que se passe o tempo a bater no peito ou frequentar reuniões religiosas, é preciso, sim, que não façamos aos outros o que não queremos que nos façam, fazendo-lhes, antes, o que queríamos que nos fizessem a nós.

Pratiquemos o Bem. Combatamos o Mal e toleremo-nos reciprocamente.


Apologia do Egoísmo


Apologia do egoísmo
por Indalício Mendes
Reformador (FEB) Janeiro 1946

Durante séculos, após o advento do Cristo, os homens têm sido aconselhados a seguirem com devoção as lições evangélicas. Entretanto, os que se haviam inculcado herdeiros dos primitivos cristãos, falharam, acomodando-se a exigências materiais, transigindo com os poderosos, a eles se juntando, até se "constantinizarem". Data daí, isto é, de sua "constantinização", o início de sua queda como orientadores do pensamento cristão. Depois, outras renúncias, o estabelecimento da simonia, as perseguições aos não-cristãos, os tremendos crimes da Idade Média, responsável pelo rápido desenvolvimento das ideias materialistas que irromperam no século XIX, gerando o ateísmo que empobreceu gerações e gerações, na Europa e na América.

Os grandes ataques sofridos pela religião, da parte de destacados líderes do pensamento humano, provam que esta perdera seu prestígio espiritual. Antes, temida por causa das violências que seus representantes praticavam em nome de Deus, passou a ser motejada sem reservas. Os frades negros da Inquisição haviam sido, afinal, substituídos por manipansos (feitiço) aparentemente inofensivos, porque, se respeitavam a claridade, sabiam agir na sombra, à socapa... Então, a "água tofana" (veneno líquido muito tóxico) e a "cadaverina" (substância orgânica encontrada em cadáveres, com odor intenso)  faziam prodígios. Os clarões das fogueiras inquisitoriais não serviram para iluminar o caminho da Humanidade: apenas lhe emprestavam aspectos sombrios, pois que o fumo dos corpos calcinados enegreceram os céus, como já sucedera quando do sacrifício de Jesus: "e, escurecendo-se o Sol, houve trevas sobre toda a Terra"...

O individualismo que corrói a sociedade moderna é fruto da irreligiosidade do homem. Descrente dos dogmas, não mais acreditando nas ameaças de purgatórios e infernos, o homem tendeu para o ceticismo, preferindo as atitudes artificiais, que lhe permitiam dar de ombros às parlendas (palavreado inútil)  papalinas, à verdadeira compreensão do Cristianismo do Cristo. Nesse comenos, Allan Kardec recebia o sinal da missão que haveria de realizar, para felicidade dos povos da Terra. E, codificado o Espiritismo, que é o Cristianismo puro redivivo, a Humanidade nele está reencontrando a trilha da felicidade, porque não tem de prestar obediência a sacerdotes, não tem de se curvar diante de imagens, não tem de aceitar a obscuridade de dogmas inexplicáveis perante a razão. Sabe que "o moderno espiritualismo não vem revogar as leis diretoras da evolução coletiva", conforme explica Emmanuel, e que "as suas concepções avançadas representam um surto evolutivo da Humanidade, uma época de mais compreensão dos problemas da vida, sem oferecer talismãs ou artes mágicas, com a pretensão de derrogar os estatutos da natureza. Desvenda ao homem um fragmento dos véus que encobrem o destino do ser imortal e ensina-lhe que a luta é o veículo do seu progresso e da sua redenção. "

Por mais estranho que pareça, o homem precisa criar dentro de si uma nova espécie de egoísmo. Para ser feliz, tem de fazer feliz o seu semelhante. Não poderá progredir se cuidar apenas de si. Mas para se beneficiar, terá de cuidar do próximo. Como só o bem produz o bem, terá de abandonar o mal para ser feliz. Deste modo, para se ajudar, deverá ajudar a outrem. Não poderá ser bom para si próprio, se não o for para o seu semelhante.

À força de pensar nos outros homens, ajuda-los, encorajá-los, orientá-los para o bem, livrá-los do mal, amparando-os nas suas horas de angústia e desespero, o homem construirá a sua própria felicidade. Desta forma, estará exercendo um novo egoísmo, porque fará o bem do próximo desejoso de se beneficiar também. Com o Tempo, irá, insensivelmente, perdendo essa preocupação consigo mesmo, habituando-se à prática das boas ações, ao altruísmo, esquecendo-se de si para somente pensar em seus irmãos de provações. Então, estará prestes a receber a maior recompensa espiritual, que é a conquista de novos lugares em mais altos níveis da evolução humana. Porque: "Do mesmo modo que no Direito força evolve para a justiça, também o egoísmo evolve para o altruísmo. A proporção que a vida eleva os indivíduos para especializações cada vez mais altas, reorganiza-os, pelo princípio das unidades coletivas, em unidades sociais cada vez mais complexas e compactas. A evolução opera então a demolição progressiva do egoísmo, como operara a da força, porque necessário se faz um novo instinto coletivo de altruísmo, que constituí o precioso cimento que amalgama os impulsos egocêntricos e exclusivistas dos indivíduos. E na evolução social o egoísmo tem que sofrer profundas transformações. Como todos os impulsos da evolução, ele domina enquanto o progresso o exige; depois, excede-se a si mesmo e se transmuda, em face de um novo progresso.
Explica-se assim como no mundo há podido nascer, de ferozes necessidades, o princípio de altruísmo e de bondade, tão mortífero para o eu, tão antivital, em sentido restrito, pois que inicia uma ordem de vida que revoluciona todas as
precedentes. Altruísmo, pois, não é renúncia, mas expansão de domínio; não é perda, mas conquista de progresso e de compreensão e ascensão de vida." (A Grande Síntese, Ubaldi).

Em conclusão, os sofrimentos do homem moderno devem ser encarados como indispensáveis ao progresso do seu espírito, É verdade que fatores estranhos concorreram para lhe aumentar as dores, como a irreligiosidade nascida da deturpação do Cristianismo pelo clero católico, a presunção do cientificismo ateísta e pseudo-ateísta, etc. Mas, um dia, o homem transporá todas essas barreiras e dirá, então, como Jesus:

- Eu venci o mundo!


domingo, 25 de fevereiro de 2018

Quando nasceu Kardec


Quando nasceu Kardec
por Zêus Wantuil
 Reformador (FEB) Abril 1947

Um dos nossos leitores encontrou em "O Principiante Espírita", página sete, a certidão de nascimento de Allan Kardec, datada de doze do vindemiário do ano XIII, dando-lhe o nascimento como ocorrido às dezenove horas do dia onze do mesmo mês das vindimas, E como o Pequeno Larousse e o Séguier informam que o vindemiário começava em 22 de Setembro, concluiu o nosso leitor que o nascimento se deu no dia dois e não no dia três de Outubro.

Além dessa conclusão, pergunta-nos o distinto confrade se foi no ano de 1803 ou em 1804 visto que o livro "Les Pionniers du Spiritism en France", o Grande Dicionário de Larousse "La Grande Encyclopedie", a Enciclopédia Quillet e todos os demais dicionários franceses apresentam o ano de 1803.

Quanto à pergunta, afirmamos haver engano dos que o apresentaram como nascido em 1803, porquanto o ano XIII do Calendário Republicano começou em Setembro de 1804, logo, nascido em Outubro do XIII ano Republicano, Kardec veio ao mundo em Outubro de 1804.  

Quanto à conclusão a que chegou o nosso leitor, de que foi em dois de Outubro, pedimos licença para expor as seguintes considerações, que nos parecem suficientes para demonstrar o engano da conclusão.

O ano Republicano era iniciado pelo mês vindemiário (época da vindima). O primeiro dia do vindemiário não se iniciava em 22 de Setembro, como ensinam aqueles dois autores, mas, sim, no equinócio de outono. Dessa forma, o vindemiário começava ora em 22, ora em 23 e às vezes em 24 de Setembro, e, conforme verificámos nos quadros comparativos dos dois calendários, o dia primeiro do vindemiário do ano XIII correspondeu ao dia 23 de Setembro de 1804.

Como sabemos, o primeiro ano Republicano se iniciou em 22 de Setembro de 1792, dia da Proclamação da República e, por singular coincidência, dia em que o Sol chegava ao equinócio de outono; mas também sabemos que tal Calendário, além dos doze meses de trinta dias, tinha cinco ou seis dias chamados sans-culottides, formados da sobra natural de cinco dias e um quarto, do ano solar.

Foi exatamente a exigência de cálculos astronômicos para a determinação do primeiro dia do ano, o motivo da revogação, em 9 de Setembro de 1805, do Calendário Republicano voltando-se ao Gregoriano em 1º de Janeiro de 1806,

O assunto é realmente interessante e muito poderíamos escrever se não fora a falta de espaço com que luta o nosso órgão; todavia, cremos que só o fato de a "Revue Spirite" (pág. 130 de 1869) haver afirmado ter o nascimento ocorrido em três de Outubro, ser suficiente para que aceitemos esta data como verdadeira; no entanto, em vista da necessidade de este ponto ficar perfeitamente esclarecido, citaremos um documento mais claro que o registro civil, porque não obediente ao Calendário Republicano, documento esse cuja cópia foi publicada, na íntegra, na "Biographie d'Allan Kardec", obra de Henri Sausse, prefaciada por Gabriel Delanne. Nesse documento, assinado pelos padres Barthe e Chassin, encontramos: "No dia quinze do mês de Junho de mil oitocentos e cinco foi batizado nesta paróquia Hypolite Léon Denizard nascido em Lião em três de Outubro de mil oitocentos e quatro, filho de Jean-Baptiste Antoine Rivail...”  

E como certamente o prezado leitor estranhará as diferenças de nomes, devemos informá-lo de que a "Revue Spirite" registou à página 130 da coleção de 1869: Léon-Hippolyte-Denizard Rivail; o escrivão do Registro Civil, Denizard-Hyppolyte-Léon Rivail; e o padre, Hypolite Léon Denizard.


Aí estão, pois, os esclarecimentos que podemos oferecer. 

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Descansa o bornal vazio e vem...


Descansa o bornal vazio e vem...
José Brígido (Indalício Mendes)
Reformador (FEB) Maio 1947

            Benvindo sejas, viandante! Larga o nodoso cajado que te serve de arrimo, descansa o bornal vazio e vem partilhar da minha tosca mesa, onde, se o pão é minguado e escassa a água, o coração é farto de boa vontade...


- Morrer, dormir, dormir, sonhar, talvez... - monologa Hamlet, nas torturas da incerteza. Sonhar talvez... e ele lançou a pergunta que disfarçava a dúvida em que se debatia: “-Sabemos nós, porventura, que sonho teremos, com o sono da morte, depois de expulsarmos de nós uma existência agitada?.. E a sua interrogação dolorosa continua... continua como a dúvida que mortifica as almas refugiadas na sombra... E Hamlet conclui, desesperançado: - Assim, somos todos covardes, mas pela consciência...




- Não corras tanto, Ben-Hadad, atrás da fortuna! ... Os homens como tu tem tempo para tudo, menos para se deslumbrarem com os tesouros da alma... - Em cada dia, o espírito pode avançar um pouco e subir um pouco ... Medita sobre essas coisas, Ben-Hadad, na hora da prece. Não te aviltes na obstinada incompreensão das verdades que iluminam as almas dos que cultivam o Bem por amor do Bem. Assim, conquistarás o Amor, conhecerás a Caridade, habituar-te-ás ao Trabalho, sentirás a glória de Servir, aprenderás a música suave da Humildade e compreenderás a beleza divina do Perdão...
           


Há doutrinas traiçoeiras que embriagam como certos vinhos doces: o prazer passa pelos lábios, engana o coração e envenena as ideias. E a consequência das libações seguidas é o "delirium tremens" do fanatismo...



Gadir-ben-Ghizan! És teimoso como um asno de Gidá! Já te disse uma vez que a Vaidade cega e embrutece o espírito. É concubina do Ridículo e dele se vale para desgraçar os homens fracos. O vaidoso lembra o infeliz perdido nos areais desertos: tem alucinações terríveis e enche a boca ressequida de areia ardente, julgando banhar os lábios gretados na água fresca e cristalina dos oásis de Tibesti-Hoggart...




"Melhor é um bocado de pão seco com tranquilidade, do que uma casa cheia de festins com rixas" .... Por isso, muitas vezes a felicidade beija a miséria do mendigo e despreza a opulência do potentado...



O orgulho humano é frágil como aquela botija de barro que Jeremias quebrou ante o Portal de Lixo dos Oleiros, nas proximidades de Jerusalém... E a vida nos mostra, todos os dias, os cacos de botijas, misturados à lama das sarjetas...



A vida começa quando ... acaba ... Não há mistério nisto. E à medida que o homem for iluminando o espírito, as trevas da Ignorância se irão dissipando. O homem ignorante é como a criança que teme a escuridão. .. E o medo lhe faz ver o que não existe e ele até se espanta com o pulsar do próprio coração... Um provérbio antigo ensina que "a vida está na vereda da justiça, e no seu caminho não há morte"...




Há religiões que são como as estátuas: lindas nas formas, próximas da perfeição convencional, mas duras e frias como o mármore em que estas foram esculpidas. São corpos sem alma ... Os que as seguem não encontram logo o caminho de Deus, porque se desviam pelos atalhos da Intolerância, que os sapadores do Sectarismo costumam abrir durante as noites escuras do pensamento ....



"Suave é ao homem o pão da mentira" - disse o sapiente Salomão. Na verdade, assim é. Quando a Dor bate à porta do homem, ele salta a janela da Ilusão para se refugiar na Mentira ... No entanto, a Verdade está também na Dor e ele há de, um dia, encontrá-la, porque o sofrimento explica muitas coisas, para as quais nem sempre achamos explicação ... Por enquanto, a Verdade é um fardo muito pesado e a Mentira, leve como uma pluma ...




- E tu? Porque continuas emparedado no preconceito que instila veneno nos corações humanos? Porque, permaneces escravo de dogmas que obumbram as almas simples ou desprecavidas; que criam e alimentam os ódios que restrugem através de gerações e gerações, infelicitando-as?.. Desperta, irmão! A Razão te chama! Vem tomar o banho lustral do Entendimento! Os dogmas são tabus, e os tabus, pesadas golilhas que matam a tua liberdade...


- Benvindo sejas, viandante! Larga o nodoso cajado que te serve de arrimo, descansa o bornal vazio e vem partilhar da minha tosca mesa, onde, se o pão é minguado e escassa a água, o coração é farto de boa vontade...


- Não batas as sandálias empoeiradas na soleira da porta. Não batas! Quero dividir contigo a côdea de pão que enriquece a minha miséria ...


sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

A Doutrina Espírita


A Doutrina Espírita
por Jayme Braga
psicografia de Porto Carreiro Neto
Reformador (FEB) Maio 1947

ADVERTÊNCIAS    Não farás para ti imagem de escultura, forma alguma do que há em cima no céu, ou em baixo na terra, ou nas águas debaixo da terra. Não as adorarás, nem lhes dará culto; porque eu, Jeová teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, na terceira e na quarta geração daqueles que me aborrecem. - Deut. V-8 e 9.

A doutrina espírita é a doutrina cristã; é a doutrina da tolerância e do amor: da compreensão das leis divinas e da submissão aos decretos do Eterno Soberano; da fraternidade em Cristo, o que vale dizer da interpenetração dos corações num mesmo coração universal; de entendimento da Natureza em âmbito mais vasto que o pequenino terreno; da extensão do pensamento para além fronteiras; da continuação do afeto no espaço livre, como no cárcere onde se fazem amizades por sorte comum; do prosseguimento desse afeto entre encarnados e desencarnados, num laço contínuo que se não desfaz, antes se estreita cada vez mais que nos afastamos aparentemente.    

Sim! Essa afeição, que nos liga a todos os filhos do Pai Celestial, antes se exalça que míngua, ao se separarem os corpos, que nada têm com o Espírito. A amizade aqui, como a entendemos, é qual o vinho, que, quanto mais antigo, melhor sabe, e não somente o sabor, senão a essência se vai mais e mais refinando. Os simples mortais estão longe de compreender, o que sejam as ligações espirituais. A simples afeição, cultivada na Terra, misto de sentimentos inerentes à matéria, não pode traduzir o que sentimos, do espaço, pelos que ainda se prendem à argila infamante.  

Comparais muitas vezes a ligação entre os seres humanos com a sinfonia de cordas: se estas vibram em sintonia, sentis atração e casamento. Longe imagem essa, que haveríeis de tomar por traduzir vosso sentimento. Aqui, porém, no espaço, temos novos recursos e novos sentimentos, intraduzíveis na linguagem humana e no sentir dos homens.

Quando o Cristo disse: "Amai-vos uns aos outros, e, acima de tudo, ao vosso Pai que está nos Céus", que sublime pensamento exprimiu, mas, na verdade, que mais sublime sentir lhe lá n’alma! Vós traduzis esse amor à vossa maneira; ele, contudo, muito mais quis exprimir, mas não tinha palavras compreensíveis para vós. Inútil é procurar imaginar que quis ele dizer; contentar-vos em sentir esse afeto, que conheceis, e outros modos de sentir vos serão dados, à maneira que vos eleveis na escala do sentimento.

A evolução do homem é a evolução do sentimento. O progresso a que vos concitamos é o de vosso sentimento das coisas e de tudo quanto criado. Precisais sentir para viver; precisais aumentar esse sentir para viver mais perto de Jesus; precisais ter esse sentir real, para viver a vida verdadeira. Viver é sentir.

Viver é sentir: e daí todo cultivo de orgulho e de egoísmo é o do joio no meio do trigal. Por isto, profligaram, no tempo de Kardec, os Espíritos doutrinadores esses dois destruidores da obra do Cristo, da obra do Pai. Ainda por isto, o isolamento, em que se põem certos indivíduos, a pretexto de meditação, é contrário a toda a obra do Universo, não só pela ausência da caridade, isto é, do auxílio que deveriam prestar à comunidade, como porque não sentem, em toda a extensão, esse mesmo Universo, que pretendem perscrutar, sem lhe sentir a vibração; não vivem, portanto, antes morrem pouco a pouco.

Todo exclusivismo é vicioso, como todo excesso; porque exclusivismo é excesso. Tanto peca o materialista quanto o espiritualista, este mesmo que despreze a matéria, criatura também do mesmo Deus. Têm ambos sentimento imperfeito, e longe, pois, se acham de abarcar o Universo. Um se apega à matéria, porque palpável, donde a única coisa que fosse real; outro se alcandora em regiões nebulosas, que de fato não existem, pois existe a luz, tão viva ou mais viva do que a obscura matéria (em seu sentido mais geral).

É esta a dura experiência que têm de sofrer todos, desde o nascer, Hão de sentir todas as vibrações, desde as mais grosseiras até as mais sutis. Hão que enlamear-se no lodo, para resplandecer depois à luz vivida do sol da perfeição. Hão que baixar às misérias humanas e extra-humanas, pura lhes participar da essência, aspirando-lhes o odor nauseabundo, no qual se comprazerão ou que repelirão, pela sua exclusiva vontade. Virão à sua presença e penetrar-lhe-ão no ser os males, que o atormentem ou com os quais se sintam afins; hão de sofrer tentações, como Jesus no alto do penhasco: resistirão ou cederão. Subirão, de vez em quando, ao Céu, para lhe ouvir notas estranhas: a essas serão indiferentes ou mesmo as tomarão como sons bárbaros, ou com elas se deleitarão, num ímpeto de ouvi-las eternamente. Tocar-lhes-ão a pele sensível do Espírito vícios e virtudes, todos coexistentes, em conluio, em entrechoques, para que seu diapasão distinga o bom do mau, para que se amolde a uns ou a outros, deformando-se ou aperfeiçoando-se. Hão de ter senoides, mais violentas que as agitadas ondas de oceano proceloso. Passarão vertigens nos máximos da curva, como se amodorrarão nas baixezas lutulentas. Hão que “nascer” e "renascer", sem cessar, indefinidamente. Ora aqui, ora ali, sentirão a pulsação da Natureza, ouvindo-lhe os anseios, descobrindo-lhe os segredos, imiscuindo-se nos atros abismos da Terra e do homem, conhecendo-a palmo a palmo; instruindo-se em todos os setores, dominando-a, enfim.

Tal o ensino dos vossos irmãos maiores, tais os conselhos de Jesus. Como, porém, poderia este Instruir coisas inatingíveis aos homens, e ainda a homens sem qualquer conhecimento da ciência terrena? Vãos não teriam sido aqueles conselhos, como ainda o são muitos dos que nós, de boa vontade, ministramos? Por isto mesmo, lembrai-vos, proferiu o Mestre hipérboles, que, sem atingir a compreensão humana, de qualquer sorte se aproximava às verdades eternas.

Notai que o Mestre quase sempre buscava imagens e comparações; em certos pontos, entretanto, declarava, com pesar, que a Verdade não poderia ser então revelada. Como, efetivamente, poderia ser traduzida expressão celeste em linguagem humana? E acrescentava que tais pontos haveriam de ser esclarecidos quando o mundo houvesse atingido maior progresso; haveriam de ser "sentidos", pouco a pouco, à proporção que os homens "vivessem" mais tempo. Pouco a pouco, mas seguramente, as almas sentiriam a profundeza de seus ensinamentos, novas palavras surgiriam para traduzir o sentimento, que evoluía com a vida; melhor penetrariam as vibrações extraterrestres, à maneira que encontrassem ambiente mais adequado, corações mais abertos, sentimentos mais afins.

Por isto falou o insuperável Instrutor por figuras, que ainda terão de ser interpretadas em toda a sua significação: os tempos ainda não são chegados plenamente para que a criatura as entenda em toda a plenitude. A dissenção ainda será estado de muitos séculos, por Isto mesmo que ninguém ainda sente que "coisa" seja a Verdade; e ainda há exclusivistas. Se, aí, na Terra, não podeis exprimir certos sentimentos - bons ou maus -, quanto mais certo não será que não possamos do Espaço traduzir o que vos temos a dizer! Certas vezes havemos de dizer coisas que ninguém entenda: argumento este poderoso, para terdes a certeza de que não engendrastes, por vós mesmos, o que afirmais. Não haverá, estai certos, qualquer portento de cérebro humano ou de imaginação a mais exaltada, capaz de conceber algo fora do seu âmbito. O que digam os materialistas a respeito, alegando "exaltações", não passa de fantasia, maior que o que eles supõem seja fantástico. Nenhum selvagem será capaz de imaginar o que ignora da ciência moderna. Assim também vós, homens mortais, sois incapazes de vislumbrar, sequer, o que entre nós se passa, como também nós, mais próximos de vós, não temos poder, por maior vontade, de idealizar o que se passa nas altas regiões mais próximas do Criador. Ainda não "sentimos" em todos os quadrantes do Universo, como vós não vedes além do horizonte.

Ora, é esse "sentir" que cumpre experimentar em todas as partes do Universo, onde seja necessário. Se nos falta alguma experiência, temos que buscar o local adequado. Se não conhecemos o lodo, insta procurar o charco. Se não sabemos que seja luz, devemos olhar o Sol. É bem claro que conforme a região variará o clima; como haveríamos de sentir temperaturas abaixo de zero no centro d'África, e como teríamos noção de calor sufocante se não nos afastássemos do Polo?

Ficar, portanto, em determinado ponto, ainda que tendo experimentado milhares de sensações, não é conhecer tudo quanto existe nesse terreno de sensação, o que equivale a dizer; no campo da vida; a fieira, como disse Kardec, há de ser toda atravessada. Mas insiste: não num mesmo lugar. O próprio Espaço, tão amplo e variado, não basta. Não há remédio senão procurar um "mundo", onde se encontre o que falte, para cada vez mais adquirir de experiência. Por muito aprendamos em liberdade, não seremos completos se não nos jungirmos em encarnação diversa da anterior: eis o que afirmam os vossos irmãos mais conhecedores, e quem diz "conhecedor" refere-se a alguém que viveu, experimentou, sentiu, não avançando hipóteses, mas informando realidades.

A "lição" há que ser sabida, mas absolutamente sabida. Nenhum ponto há de ficar obscuro, ou mal tratado. Ensinam os mestres, aqui ou ali, mas nem tudo o discípulo assimila. Deve-se fazer por suas próprias mãos; tem-se de apalpar, em seu sentido mais lato, não superficial, mas profundamente. Tem-se de adquirir novas faculdades, incompreensíveis no débil estado em que se acha cada um que aprende.

Os mestres assim evoluem, e vão transmitindo seu saber aos dedicados e atenciosos alunos. Usam, por vezes, expressões que hão fatalmente de ser incompreensíveis à primeira audição, mas, como haveriam de proceder doutro modo? A pouco e pouco os discípulos se vão habituando aos novos termos, conquanto não os compreendam bem: criam-se, por outro lado, expressões para designar certos fatos, sem que, entretanto, se conheçam tais fatos em toda a sua profundeza: tal é, por exemplo, por ser agora comum, a "alergia", que, em si mesma, não se explica; e assim dizendo, quero dizer que não se lhe conhece a causa, que a causa, que se revela, não exprime o fundo da questão. Os próprios cientistas, como se vê, Ignoram os fatos mais comuns, e, mormente, suas causas primeiras. Como se abalançam, pois, a negar algo que lhes não esteja debaixo dos olhos?           

Se o Mestre falou em Amor, e classificou-o como a virtude excelsa, deu-vos uma primeira noção de "sentimento" que deve ser vosso guia perene e verdadeiro na vereda do progresso. É uma primeira noção, a fim de que buscásseis um sentimento que fosse, de algum modo, semelhante ao que sentis aí na Terra. Mas aquele sentimento, a que o Mestre assimilou o Amor, ainda está muito e muito longe daquele outro que nos liga a todos e, principalmente, daquele que levou o Supremo Criador a fazer tudo o que há e que e que O leva a manter o Universo debaixo da Lei Universal.

Perdoai-me se me não faço de todo compreendido. Não é somente defeito vosso, senão meu também. Não posso, por um lado, exprimir o que me vai n'alma, nem, tampouco, o que vai pela Natureza, em toda a sua pujança. Ignoro muito e muito; e não sei se entre mim e vós haverá muita diferença. Não pretendo ter muitos conhecimentos, e todo o meu desejo é adquiri-los mais e mais; não com fim egoístico de meu contentamento próprio, mas por aumenta-los distribuindo-os entre todos os que sejam ávidos, como eu, do verdadeiro saber.

Para isto, rogo ao Pai de Bondade me conceda meios, que eu desça, como Dante, aos infernos, onde me ilustre com o sofrimento, como aqui encima estou, banhado de luz que sei não será perene, antes passageiro estado, um dos máximos da senóide, mas desses máximos ainda muito pouco salientes - bem o sei!   
                  
Incompetência, ignorância, cegueira - ó atributos daqueles que ensaiam os primeiros passos, e estes hão de ser por muito tempo, e não sei bem quando se acabem!

Diante duma estrada infinita, que valem léguas e léguas? Ó orgulho, ó vaidade! Como brilhais falsamente aos olhos iludidos das criaturas! Que sois, senão enganos, erros de apreciação, ignorância do Bem e do Belo, do Alto e do Sublime, do Real e do inatingível? Real e Inatingível! Que disse eu? Inatingível, para vós, é fantasia; para nós, entretanto, é que é real! Ilusão é o que vedes, que se desfigura consoante a luz da apreciação; o real não precisa de ser apreciado sob qualquer ângulo, e existe de toda a eternidade, e para essa eternidade viva!

Que vos tenho eu dito, porém, da "doutrina espírita"? Mas - tudo! Tenho-vos falado das coisas do Universo, que devem ser sentidas para serem vividas. Se viver é sentir (e é que vos posso dizer), tendes, como afirmei, de com tudo entrar em contato - bom ou mal - e a vossa escolha decidirá de vosso destino. Tudo haveis de saber, para serdes "perfeitos como o Pai que está nos Céus". Ó sonho belo e tão longínquo.  

Tendes de aprender e de instruir; de ser escravos e senhores; ignorantes, sendo humildes: sábios, sendo prudentes. Compreender para vibrar - e quão diferente é isto do que dizeis vulgarmente: vibrar para entender! Assimilar o que vos toca e despedir vibrações, que sejam úteis a outros, antes que a vós mesmos!

Seja toda a vibração um sentimento de benefício, não se afunde na alma, onde morre inteiramente sem proveito. Se não compreendeis o sentimento que vos nasça no íntimo guardá-lo-eis avaramente; será um tesouro de avarento, que nem a este mesmo satisfaz.

Deveis, pois, compreender toda a significação do adquirido, para que sejais úteis, disseminando tesouros, que a todos enriqueçam, que só assim sereis ricos. Se sois ricos entre pobres, sereis mais pobres do que aqueles que nada possuem de seu. Quem diz riqueza, diz bem comum, e por isto é Deus o mais rico, e o mais rico não tanto porque "possua" todo o Universo, mas justamente porque distribuiu todos os seus bens a quantos Ele mesmo criou e fez herdeiros.

Olhai esta magnificência! Vede essa fortuna, que se esbanja ao léu dos espaços, entre as constelações. Não tem senhor senão aqueles que a desejem; não é do Creso Celeste, que dela abriu mão em favor dos seus descendentes! Vede que generosidade de Quem tudo pudera guardar para SI! E porque assim o fez? Porque sabia que o que mais tem é aquele que mais dá. Quantas vezes isto mesmo ouvis, e trancais os tesouros de Bondade, de Auxílio, de Caridade!


Eis, meus caros, a doutrina espírita, aquela que proclamamos sem cessar, para a compreensão da Natureza. Pena é que não possa eu dizer-vos tudo, tanto por mim, quanto por vós. Se a luz, porém, considerais como criação sublime, aquilo sem o qual sais cego em meio às trevas, seja a Luz Divina vosso fanal e objetivo; seja o amor o sentimento mais nobre que conheceis, impulsionador das vossas obras, na continuação da Obra do Arquiteto Supremo! 

Volta Bocage



Volta Bocage
I. G. B. (Ismael Gomes Braga)
Reformador (FEB) Maio 1947

Há livros muito grandes que nada nos ensinam, porque não nos conquistam para sua leitura atenta, ou nos enfadam. Outros, igualmente volumosos, nada encerram que aproveite ao leitor e apenas o divertem um pouco para morrerem depois numa estante.

O livro ideal é o que nos prende pela beleza artística e nos leva ao máximo de conhecimento no mínimo de espaço. Tal livro não nos pertence, porque, ao contrário, somos nós que lhe pertencemos: não podemos deixá-lo antes do fim e sentimos necessidade de volver muitas vezes ao começo para gozar-lhe de novo a beleza e a sabedoria. Quem sabe fazer um livro assim ideal, possui o segredo da vitória, cumpre grande missão.

O Sermão da Montanha, reunindo toda a Doutrina cristã, em poucas páginas imortais, é uma dessas obras ideais; outra, é o livrinho de Preces de Allan Kardec, no qual expõe ele toda a Doutrina Espírita.

Ocorrem-nos estes pensamentos ao lermos, pela segunda vez, o livro Volta Bocage ... que acaba de sair das oficinas gráficas da FEB... São 55 páginas apenas, mas encerram tanta coisa e tanta beleza!

No frontispício, como Autor responsável, aparece o nome de Francisco Cândido Xavier, mas poderia igualmente escrever-se: Francisco Cândido Xavier e Porto Carreiro Neto, porque o trabalho de Porto Carreiro no volume é grande e profundo: 1.° - uma longa "Apreciação", com crítica eruditíssima, apresentando-nos Bocage e sua obra em vida; 2.° - um "Esclarecimento", relatando como foi recebida a majestosa obra mediúnica em 12 sessões, em Pedro Leopoldo; 3.° - uma explicação, em prosa, de cada um dos sonetos; 4.° - um "Glossário" de termos mitológicos, geográficos, históricos de difícil compreensão para o leitor comum que não possua uma enciclopédia. Toda essa colaboração do Prof. Porto Carreiro e por ele subscrita está vazada em linguagem irrepreensível e digna de penetrar nos futuros milênios com o texto de Bocage, escrito pela mão de Francisco Cândido Xavier.

Depois do estudo e das explicações de Porto Carreiro, vemos que Manuel Maria Barbosa du Bocage é um grande Espirito e legou à posteridade um curso de Espiritismo que jamais desaparecerá, por isso que possui imenso valor artístico. Referimo-nos à posteridade do médium e não à de Bocage, porque os seus versos imortais do século 18 continuam sendo reimpressos com fervor em nossos dias, a cento e cinquenta anos do tempo em que foram escritos.

O texto recebido pelo médium Francisco Cândido Xavier consiste em 168 versos divididos em 12 sonetos que uma pessoa de boa memória poderá decorar em uma semana, e aqui fica a sugestão aos de boa memória, aos jovens confrades de língua portuguesa, para que os decorem.

Apenas doze sonetos, somente 168 pés, mas em cada verso há alguma coisa preciosa a aprendermos e incorporarmos à vida do nosso Espírito para a
eternidade. Tentemos catalogar em poucas palavras essas doze lições em versos: 1º - Esclarece a situação do Espírito encarnado sobre a Terra, em expiações e provas. 2º - Trata das comunicações dos Espíritos com os homens e sua finalidade. 3.º Refere-se às ilusões sensoriais do Espírito encarnado. 4.º - Condena a sede de glória. 5.º - Ensina a orar. 6.º - Trata do materialismo a que conduz a sensualidade. 7.º - Descreve as belezas do mundo espiritual superior. 8.º - A morte, ou desencarnação. 9.º - Felicidade ou desventura que a morte inicia, para o Espírito, conforme seja este bom ou mau. 10.º - Trata da responsabilidade que encerra o consumo do tempo de uma encarnação. 11.º - Expõe a aspiração do Espirito à vida superior. 12.º - Hino de louvores a Deus.

Quem escreve estas linhas esteve presente a todas as sessões em que foram recebidos os sonetos e notou que sempre o soneto foi a chave de ouro da sessão. Por vezes os trabalhos mediúnicos estenderam-se ininterruptamente por mais de três horas e a última comunicação, escrita com a mesma rapidez das outras, foi sempre o soneto de Bocage. Pareceu-nos oportuno registrar este pormenor, porque justamente quando o médium se achava - ou nos parecia assim - exausto de cansaço, é que recebia Bocage. Parece-nos que este fato demonstre a inteira independência do Espírito, que aproveitaria, talvez, a máxima passividade do aparelho, passividade esta sempre aumentada pelo cansaço físico.

Registamos apenas o fato, mas o que interessa ao leitor não é a técnica do fenômeno, é a grandiosidade da obra a estudar, da doutrina a aplicar, e esta grandiosidade seria a mesma, ainda que os versos houvessem procedido de um gênio encarnado em missão, como no caso de Dante Alighiere e do mesmo Bocage em vida.

Resultado de imagem para Volta Bocage imagensBocage

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Profissionalismo religioso


Profissionalismo religioso
por Ismael Gomes Braga
Reformador (FEB) Maio 1947

O capítulo XXVI de "O Evangelho segundo o Espiritismo" é um dos menores em extensão e foi escrito só por Allan Kardec: não tem, como quase todos os outros, "Instruções dos Espíritos". No entanto, é um dos mais profundos e que mais força dá à Doutrina.

O homem tende a explorar economicamente todas as coisas, de tudo fazer profissão, meio de vida, rebaixando tudo a objeto de compra e venda. Nem o Cristianismo escapou! Organizou-se em Igrejas e surgiram os profissionais religiosos, poderosas organizações econômicas que mataram o espírito da Doutrina primitiva e conquistaram materialmente o mundo. O profissionalismo religioso está enraizado por tradições multimilenárias e parece natural num mundo materialista, cujas relações são todas de base econômica. Abrir luta contra tal profissionalismo e proclamar novamente com o Cristo: "Dai de graça o que de graça recebestes", exigia bravura muito especial; mas, felizmente, Kardec, a teve e com ela salvou a Terceira Revelação.

No Brasil, onde predomina o Espiritismo evangélico, o profissionalismo não medra entre 98 espíritas; raras vezes é tentado por algumas pessoas, mas a imensa maioria o repele e ele morre por insulamento.

Não só os serviços mediúnicos são prestados gratuitamente, mas até outros serviços doutrinários, como a direção de instituições, a redação de livros e jornais, traduções e revisões, a pregação, são realizados gratuitamente, quase sempre por pessoas pobres que penosamente poupam o tempo para prestar tais serviços e ainda pagam mensalidades a associações e ajudam a necessitados. Não queremos dizer que nós - os espíritas - sejamos melhores do que os outros homens, mas devemos ressaltar as vantagens de não existir profissão de espírita.

O profissional não é livre, está preso pela necessidade à sua profissão, mesmo quando ela lhe desagrade; porque é sempre difícil mudar de profissão depois de alguma idade. O sacerdote de uma religião está na contingência de continuar até à morte em sua Igreja, mesmo que perca a fé religiosa e se torne materialista e ateu, o que não é raro. Noutros casos, e ainda mais frequentes, o sacerdote perde o respeito por um ou alguns dos seus votos, por exemplo, pelos votos de castidade e de pobreza e constitui família ilegal ou luta por enriquecer-se. Desde então perde ele toda a autoridade religiosa e passa a ensinar pelo exemplo princípios opostos aos que prega pela palavra. Torna-se pedra de tropeço para os fiéis, porque o exemplo é mais forte que a palavra. Não existisse a dependência econômica e tudo se resolveria muito bem: o sacerdote deixaria de exercer suas funções religiosas no momento que quisesse e contrairia matrimônio legítimo, com todas as vantagens para a prole e a sociedade e benefícios imensos para a Religião, porque não se tornaria pedra de tropeço para os crentes.

Precisamente o mesmo se daria com o profissional espírita, se este existisse: seria um escravo da sua profissão e continuaria nela, ainda que perdesse o entusiasmo, o fervor ou até a crença.

Se de um ponto de vista puramente humano o profissionalismo seria grande mal para o Espiritismo, do ponto de vista espiritual seria sua morte inevitável; porque os Espíritos superiores não se submetem a trabalhar para exploradores da religião e abandonam toda pessoa - em qualquer corrente religiosa - que pretenda fazer deles um degrau para se elevarem economicamente. Uma vez privado do convívio dos Espíritos superiores, o homem entra para a sociedade dos inferiores que nada podem produzir de proveitoso para a regeneração da Humanidade, mas, ao contrário, só fazem mal: engendram dissenções e animosidades, lançam a dúvida e abalam a fé, alimentam paixões, insuflam vaidade e orgulho, animam o egoísmo e anulam as boas intenções.     

Os Espíritos superiores colaboram dedicadamente, sem espírito algum de seita, fora ou dentro do Espiritismo, mas somente com pessoas desinteressadas que se sacrifiquem pelos seus irmãos por amor, com abnegação e singeleza, dando de graça quanto possível seu tempo e seus bens para servir às pessoas e aos ideais superiores, Dizemos "fora ou dentro do Espiritismo", porque realmente tudo quanto representa progresso tem apoio dos Espíritos superiores e é planejado por eles; portanto, na ciência, na política, na religião, nas artes, na técnica, na indústria, há pessoas que cumprem humildemente um apostolado e são auxiliadas pelos grandes Espíritos, como há utilitários, argentários, egoístas sem o apoio dos Espíritos elevados e em afinidade com os atrasados. Em Espiritismo, porém, essa intervenção se torna mais clara e compreensível, porque os espíritas são iniciados no assunto.

Não só naquele capítulo acima mencionado Allan Kardec insiste pelo desinteresse material. Em muitos outros trabalhos voltou ele ao assunto, dando-lhe o relevo que merece. Na obra de Roustaing, igualmente, os Espíritos são enfáticos nessa recomendação. Hoje vamos começando a perceber quão profundo alcance tem esse ensino sempre repetido há mais de oitenta anos pelos Espíritos superiores. Não é demais, pois, refletirmos muitas vezes sobre a necessidade de defendermos sempre esse princípio doutrinário em nossos escritos e pela divulgação dos livros que tragam o mesmo ensinamento.

Não temos nem desejamos ter concílios, sínodos ou outras congregações que decidam em matéria de fé. Nosso ideal religioso é que cada espírita seja um juiz severo de seus próprios atos e pensamentos e possua as necessárias luzes para distinguir entre o bem e o mal. O único elemento de que dispomos é o livro. O livro opera prodígios. A divulgação sempre crescente dos bons livros é a nossa grande tarefa, na qual temos sido generosamente auxiliados pelos Espíritos que dirigem o nosso movimento.

Quanto mais cresça o nosso movimento, tanto maior se torna a missão do livro em geral e de "O Evangelho segundo o Espiritismo", em especial.

Até hoje, por mercê de Deus, tem-se conservado puro o grande princípio do "dar de graça" no movimento espírita brasileiro, e, pela constante divulgação e estudo dos bons livros em nossos grupos, espalhados por todo o território nacional, é de esperar-se que se conserve o santo escrúpulo contra o profissionalismo religioso.

Conservado esse desinteresse, não nos faltará a assistência dos Espíritos superiores e as nossas instituições progredirão sempre; se tivéssemos a desgraça de mudar de rumo, poderíamos talvez ter um movimento materialmente forte, humanamente bem organizado, mas seria apenas o cadáver do Espiritismo, porque nos faltaria a força interna que vem dos Espíritos elevados, e teríamos todas as fraquezas dos Espíritos inferiores. Dizemos "talvez", porque o mais provável seria o esboroamento completo das nossas instituições...-           


Não admitamos, porém, o pensamento pessimista de que o profissionalismo religioso venha a invadir o nosso movimento espírita. 

As Superstições


As Superstições  
por José Monteiro Lima
Reformador (FEB) Maio 1947

As superstições e as crendices são, em geral, antiquíssimos complexos mentais radicados na psiquê, herança de um passado que se perde pelos labirintos da História. Sob o impulso da fé, da convicção, as superstições, em determinadas circunstâncias põem em ação sutilíssimas energias espirituais, dando lugar a estranhos fatos, inexplicáveis para a ciência materialista, tais fatos têm, contudo, alimentado crendices mais ou menos absurdas. Seja como for, porém, as superstições devem ser combatidas, porque são sempre resultado de uma educação deficiente.

No Brasil, como em toda parte, as superstições pululam com as mais variadas finalidades, e, segundo a sua natureza, tanto pode produzir benefícios como malefícios, até mesmo ao próprio supersticioso. A borboleta negra, por exemplo, é, regra geral, sinal de morte de alguém da casa. A aranha é sinal de bonança e prosperidade nos negócios.

Há casas comerciais cheias de teias de aranha porque os seus proprietários acreditam que matar aranhas e destruir as suas teias faz desandar os negócios. O gato preto é tido como bicho azarento em alguns Estados do Brasil, enquanto que em outros é de boa sorte. Matar um gato traz sete anos de atraso, dizem. Lagartixa na parede é de bom agouro. Bode preto, assim como o cão e o gato são, para certas pessoas, êmulos de Satanás, Há pessoas que têm em casa animais pretos para "receberem" os "maus olhados" (fluidos perniciosos) e os "despachos" dirigidos às pessoas da casa. É crença também que cão danado não ataca quem estiver com a roupa vestida pelo avesso. Vassoura colocada atrás da porta, com o cabo para baixo, enxota as visitas indesejáveis. Sal no fogo produz o mesmo efeito. Varrer a casa de noite atrasa a vida. Espelho quebrado, más notícias. A figa (amuleto representando u'a mão fechada) afasta o mau olhado. Ferradura achada na rua e colocada atrás da porta, protege a casa dos maus Espíritos e traz felicidade aos seus moradores. Sentar à mesa 13 pessoas é de mau agouro e morte de uma delas. Passar por baixo de escada, atrasa os negócios. E muitas outras superstições que seria desnecessário mencioná-Ias aqui.

Não negamos os seus efeitos nem afirmamos que tudo se resume em coincidência ou auto sugestão, porque o valor teórico de cada uma delas não está certamente nos objetos ou nos animais, que apenas servem como ponto de apoio, mas na convicção, na certeza do supersticioso, onde a crendice criou profundas raízes. Eis porque para o supersticioso a superstição sempre se realiza.

O Dr. Irajá conta (Feitiços e Crendices, página 44) que certa vez, em viagem pelo interior de Minas, pernoitou num rancho pobre. Noite estrelada, um cão começou a uivar, Não era possível adormecer. - "Esse cachorro não deixa a gente sossegar!" disse o doutor à dona da casa. - "Ele já vai parar o uivo; verá o senhor", Num instante tudo sossegou; o cão emudecera como por encanto. Na manhã seguinte, tendo o doutor perguntado à dona da casa o que fizera para calar o cão, ela respondeu: - "Ué! não sabe não? Virei os meus chinelos". Aí está: virar os chinelos faz parar uivo de cão.

Os pedidos de "milagres" às "imagens" e aos "santos" para obter favores, curar doenças, etc., podem ser incluídos no rol das superstições de origem religiosa. Os jornais de vez em quando anunciam retumbantes milagres e assombrosas curas de santos de determinados lugares, mas ninguém de sã consciência (exceto o supersticioso) admitirá que a imagem esculpida pela mão do homem tenha tais poderes. Independente mesmo das influências espirituais que possam intervir em cada caso, a convicção, a certeza, a fé, ainda que mal dirigida, é a força realizadora, que, no dizer de Jesus, transporta montanhas. 

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

A Grande Missão


A grande Missão
por Augusto Cesar Linhares da Fonseca
Reformador (FEB) Maio 1947

Com o início da Nova Era, dentro da qual o planeta em que habitamos irá passar por profundas e radicais transformações, as responsabilidades que assistem aos missionários da Luz, sem dúvida, crescerão de vulto e precisarão ser encaradas sob todos os aspectos durante tão cruciante e difícil fase de transição.

As dores e os sofrimentos, como provações necessárias à Evolução espiritual dos indivíduos, dos povos e Nações, dominam todos os recantos da Terra. O Apocalipse vem cumprindo-se em seus mínimos detalhes.

O problema da Paz, formulado dentro dos postulados do Direito Internacional, tornou-se inexequível.

Disso todos nós bem sabemos.

Os acontecimentos mundiais, de que dão notícias os meios modernos de comunicação entre os homens, se verificam em progressão geométrica dentro de uma desordem nunca registada pela História da Civilização.

Findou um ciclo e inicia-se outro, que irá ser totalmente diferente do anterior. Creio pois que cabe aos espíritas-cristãos e a todos os espiritualistas, de um modo geral, a ingente tarefa de lançar as bases da nova Civilização, dentro da Pátria do Evangelho - o nosso querido Brasil.

Torna-se imprescindível, mais do que nunca, a mobilização espiritual e espontânea de todos os adeptos da Terceira Revelação, através da formação consciente de forças mentais, a fim de serem neutralizados e eliminados os efeitos destruidores e maléficos das Trevas exteriores.

Nisso consistirá o primeiro passo a ser dado na grandiosa obra de União Cristã de todos os espíritas do Brasil.

A nossa ação tem de realizar-se em harmonia com a ação dos planos superiores dos nossos mentores espirituais. Pensamento e Vontade dirigidos para a meta Divina, eis as duas forças que aliadas à da Fé serão capazes de construir a grande muralha de defesa e sustentação contra a investida das forças inimigas do Evangelho do Cristo já elucidado pelas lições fecundas da Espiritualidade.

Ao Espiritismo e à Federação Espírita Brasileira, em particular, coube a Missão Sublime de preparar operários humildes e sinceros. A esses operários, pois, cabe, nesta hora de perigos e apreensões internos e externos para todas as nações, uma outra missão, tão sagrada quão a primeira, qual seja a de construírem um mundo melhor.

Pelas vibrações superiores dos nossos próprios espíritos devemos oferecer a mais absoluta resistência às ideias invasoras do Materialismo desagregador.

Lembremo-nos, constantemente, das parábolas do Mestre e das epístolas de Paulo, apóstolo dos gentios, para- nelas encontrarmos o cimento necessário à construção da poderosa muralha de Luz, Amor e Justiça.

O Espiritismo já nos despertou do sono letárgico de tantos séculos. Cumpre-nos, agora, pensar, sentir e agir com os nossos espíritos evangelizados e iluminados pelo Alto.

A nossa ação, deve ser positiva, real, concreta, porque o seu objetivo primordial é o Bem em todos os sentidos, sob todas as suas modalidades.             
Despertemos nossas forças íntimas e eduquemo-las segundo a orientação e ensinamentos dos nossos protetores espirituais. Estudemos e meditemos, porque a Humanidade inteira se acha mergulhada no Caos e a hecatombe se aproxima.

A Salvação se encontra, não no meio exterior, mas dentro de nós mesmos. A Salvação está na nossa Caridade, porque, fora desta, aquela não existe.

O mundo atual atingiu o paroxismo da dor e se acha envolvido pelas trevas porque se guiou pelo materialismo, desprezando as riquezas incomensuráveis da Espiritualidade.

A Lei que vai reger o homem do futuro é a Lei Divina, natural e eterna.

Daí caber a nós espíritas o trabalho constante de nos mantermos vigilantes e encaminharmos nossos irmãos para a preparação da futura humanidade.

Devemos ensinar, aos que nos ofereçam oportunidade, as sábias lições recebidas dos espíritos luminares acerca da Lei de Justiça Divina, da chamada Lei de causa e efeito.

Demonstremos-lhes que a Justiça Divina não se exerce através de aparelhamentos judiciários ou organizações similares, dotadas do poder de coerção, próprio das leis humanas, e, sim, por uma predeterminação Superior,

Desde o Princípio da Criação, Ela se vem executando mediante um processo simples e perfeitamente natural no sentido de reajustar e reequilibrar, permanentemente, os mundos e os seres que neles habitam, com o fim magnânimo de assegurar a todos, indistintamente, a evolução física, moral, intelectual o espiritual. Objetivando a harmonia do Universo e proporcionando os meios para que as criaturas atinjam a Perfeição, a Justiça Divina, por isso mesmo, tem por base a Onisciência do nosso Pai.

De sorte que, quando todos os filhos de Deus, nossos irmãos, vierem a encontrar a verdade dentro de seus próprios corações, dentro de si mesmos, terão encontrado, simultaneamente, a verdadeira solução do problema da Paz.

As nações são compostas de indivíduos! Quando esses tiverem a paz interior, em seus espíritos, aquelas também a terão no exterior.

A solução do problema da Paz, portanto, não se encontra em fórmulas jurídicas, nem tampouco em transitórias convenções de natureza econômica.  

No dia em que cada homem tiver a coragem, a bravura moral de travar a terrível batalha contra seus próprios erros, defeitos e imperfeições, extirpando decididamente e por completo o mal de dentro da sua alma, então começará
real e definitivamente a realizar a mais bela, efetiva e perfeita regeneração.

Sejamos, Ó meus irmãos, fortes e bastante fortes nos tempos que correm. Formemos a cadeia sacrossanta de forças invisíveis. O mundo não nos deve vencer mas nós devemos vencer o mundo com o Cristo.

A grande missão do Espiritismo continua e continuará a cumprir-se.

Para a sua ação de ressuscitar as verdades eternas não há obstáculos e prescinde do tempo porque é eterna. Confiemos nos Espíritos mensageiros do Senhor.         

Colaboremos com Eles, sem desfalecimentos, na construção da fortaleza inexpugnável da Fé, da Esperança e da Caridade.