Translate

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Missiva do Outro Mundo



Missiva
do Outro Mundo

            Se bem seja uma carta particular, o documento que segue encerra ensinos, esclarece pontos teóricos de Espiritismo e não me pareceria honesto conservá-lo só para mim. Salvo poucas linhas que por serem demasiado intimas não interessam senão a mim mesmo, julgo meu dever passar a mensagem às mãos de outros estudiosos. Substituirei com reticências esses tópicos que me parecem destinados só a mim.

            Abel Gomes, irmão de minha querida mãe, foi meu íntimo amigo e constante colaborador em trabalhos de Espiritismo e Esperanto, Mantínhamos correspondência quase diária e sempre sobre temas idealísticos - nunca nossas cartas tratavam só de assunto pessoalmente nosso - e ele prometia-me que depois de morto encontraria os meios de continuar a correspondência e a colaboração; mas assim não foi e longos anos tive que suportar o mais tremendo silêncio de sua parte. Agora me explica ele as dificuldades que encontrou para cumprir ostensivamente a promessa.

            Do mesmo modo que Abel Gomes, outro Espírito que muito colaborava comigo em vida e prometia manifestar-se logo depois da partida, mas ainda não pôde cumprir a promessa, foi Estevina de Magalhães, a quem o missivista vai referir-se no fim desta mensagem. No entanto, ambos estão continuando a trabalhar comigo, segundo informações que tenho recebido, mas de modo indireto e oculto para mim que não lhes percebo claramente o auxilio.

            Eis a mensagem:

            “Meu querido Ismael,

            Deus nos abençoe.

            Somente agora, quando me disponho a falar-te mais intensamente, percebo a infinita dificuldade para uma conversação entre dois mundos! Oh! meu caro, é difícil, muito difícil. É preciso conhecer como conheci a paralisia dolorosa para compreender esta angústia de converter a inércia em movimento, porque, em verdade, levado a efeito o trabalho Comparativo, a palavra humana simboliza a morte diante do verbo de nosso intercâmbio na vida espiritual.

            De qualquer modo, porém, é preciso vencer as resistências, atenuar os obstáculos, estabelecendo acordos entre as manifestações desarmônicas. É pálida qualquer exteriorização de nossas realidades que me proponha a oferecer-te[1].  Conforta-me, porém, a certeza de teu carinho, a elevação de tua confiança e entendimento.

            Mundos imensos de considerações afloram-me no cérebro para que eu te transmita o noticiário daqui, com todas as minudências que nossos corações desejariam. No entanto, as limitações são tremendas, meu amigo, e contento-me com o simples relatório afetivo de meu infinito amor e de minha ternura fiel pelo teu campo de realizações.  

            Com o Auxílio Divino, venho dilatando meus conhecimentos e aprimorando sentimentos, preparando-me para o futuro de nossa união.

            Minha maior alegria, lsmael, quando voltei, verificou-se com a reintegração de minha saúde. Oh! quando pude mover-me, quando me desprendi da cruz que me retivera por longos anos, então senti, de muito perto, a bendita influência d' Aquele que deu vista aos cegos e curou os paralíticos[2]. Profundo júbilo assenhoreou-se--me do coração e o beijo da liberdade, que a morte me trouxera, recordava a grandeza da Bondade Divina. E quis voar para junto de todos os que amo e quis aproximar-me principalmente de teu coração, para comunicar-te as alegrias de minha ressurreição; todavia, reconheci que pesada fronteira nos separava então, e fui obrigado a caminhar em outro rumo... Quantas interrogações te sugerem estas minhas palavras! Eu sei que entre nós os laços de amizade sempre foram sagrados como os que existem entre um filho e seu pai. E, por isto, Ismael, desejaria atender-te a todas as observações. Mas as limitações continuam aqui, entre nós, bem fixas no papel frágil e no lápis incapaz que não suporta as definições atuais de nossas realidades mais belas.

            Minha mãe esperava-me. E que poderia eu desejar senão seu regaço amoroso e acolhedor? Ah! em vão me esforçaria por dizer-te tudo!... Outros amigos estenderam-me, mais tarde, a sua colaboração e, retemperando energias, no ambiente novo guardei um pensamento exclusivo - o de fortalecer-me para fortalecer-te[3]. Não penses que meu espírito vivesse infenso ao teu carinho! Tuas cartas alimentavam-me o coração, teu afeto orvalhava-me o íntimo, fazendo desabrochar as flores da esperança no terreno árido de minhas ilusões fenecidas. Novos horizontes se abriram para mim, entretanto, o nosso antigo afeto persistia dentro de meu ser. A beleza da esfera diferente, os céus maravilhosos, a campina multicor sob a atmosfera radiante, onde me haviam preparado o repouso, não me faziam esquecer-te. Contudo, meu filho, não obstante as maravilhas exteriores, mais que nunca encontrei a mim mesmo. A morte do corpo libertara-me a alma oprimida na provação expiatória, mas não realizara o milagre que eu esperava. - Meu nível mental não demonstrava alterações, meus sentimentos eram os mesmos. Terminara a curva no caminho redentor, de que tivera necessidade para apagar certas nódoas de meu pretérito obscuro mas ao retomar a estrada real da evolução, verifiquei que precisava desdobrar-me em serviços novos para melhorar a posição que me era própria. Daí, meu caro, as minhas considerações iniciais. Não constituindo a morte o banho miraculoso de sabedoria e iluminação, era obrigado a descobrir os meus próprios recursos a fim de aprimorar os escassos valores que havia adquirido. Então, compreendi a sublimidade do Espiritismo que nos traça um roteiro de atividades progressivas no caminho das lutas humanas e percebi o valor do indivíduo na obra de Deus. Somos, nós mesmos, os arquitetos de nossos destinos, os construtores de nossa felicidade ou de nosso infortúnio, os senhores do “mundo de nosso ser”, e sem que nos transformemos para a esfera superior, sem o esforço da conversão para o Cristo - que tem sido para nós um mito distante e não um Mestre próximo - não poderemos alcançar o cume de nossos idealismos edificantes.
            Semelhante revelação enche-me de coragem e, como o lavrador corajoso, ataquei o serviço de minha semeadura nova . Não se passou muito tempo e o Senhor permitiu que me reaproximasse de teu trabalho[4].  

(Conclusão do número anterior)

            E aqui estou, lsmael, para reafirmar-te a beleza de nossa ligação espiritual[5] . Minhas palavras não chegam a formar um atestado insofismável de sobrevivência, mas há o coração que fala e o coração que ouve. Sabes que estamos juntos, não só em virtude dos traços escuros que cobrem o papel, mas também pela espiritualidade que transborda na alegria recôndita de nosso reencontro mais direto.

            Volto, meu filho, para rogar-te a continuidade do esforço, do trabalho, da coragem. Sigo-te, de perto, o isolamento interior e as grandes horas do desalento angustioso. Não te aflijas. Outra rota não existe para todo aquele que se coloque a caminho do Calvário da libertação. É muito fácil "devorar" as planícies, mas sempre difícil escalar os montes. E a procura da fé, a integração perfeita com os planos mais altos representam uma subida efetivamente dolorosa. Tem paciência e prossegue. Haverá dias de luta, noites de tempestade. Pedras e espinhos atapetam a senda, mas a Força Divina ampara o procurador fiel da verdade, porque essa fidelidade traduz amor sincero e ardente do bem.

            Meus votos de prosperidade à tua missão no Esperanto que polariza, no momento, as nossas energias e ideais[6]. A tarefa, com o teu devotamento, está sendo coroada de êxito amplo. Por agora, é preciso suportar o riso dos ironistas, a aspereza dos ingratos, a indiferença dos endurecidos. Os fariseus do Templo não são personalidades circunscritas aos círculos religiosos. Movimentam-se em todos os lugares, dentro da pauta dos preconceitos e convenções[7]. É necessário ajudá-los com o nosso entendimento construtivo, como quem conhece as infantilidades dos mais jovens e a sagacidade lamentável dos que se prendem ao cárcere da razão sem luz. Os livros que a Casa de lsmael vem lançando, sob os auspícios do Alto, são bases do edifício futuro. Não importa que as sementes ofereçam apenas mais tarde a beleza da floração e as magnificências da colheita. Fixando a figura do Cristo, Trabalhador Divino do mundo desde muitos milênios consecutivos, encontraremos serenidade para todas as edificações elevadas e redentoras.

            Os nossos amigos Magalhães são teus colaboradores assíduos.[8]. A Estevina continua na posição de companheira abnegada de teus serviços neste mundo, embora sua atuação se verifique em plano quase oculto, atendendo a circunstâncias especiais.

...........................................................
..........................................................

            São inúmeros os assuntos que ficam aguardando oportunidade. Não posso ser mais extenso. Cultiva, Ismael, acima de tudo, o coração. Lembra-te que o valor positivo da fé não procede tão somente das equações intelectuais. Prepara-te, edificando, cada vez mais, os teus sentimentos.

            Distribui minhas lembranças com a Filhinha e o Louro, Aldana e tua mãe, estendendo-as a todos os que permanecem conosco no sagrado caminho da redenção. E, pedindo a Jesus pela tua elevação constante, abraça-te, com toda a alma o teu da Eternidade.

                                                                                              Abel."

(Comunicação recebida em 29-03-1945 pelo médium Francisco Cândido Xavier).

por   Ismael Gomes Braga
in Reformador (FEB) Jun-Jul  1945



[1] Ernesto Bozzano, após longas observações, concluiu que a comunicação de um Espírito com o nosso mundo é trabalho realmente dificílimo e que  raramente se consegue realizar com perfeição relativa.
[2] Abel Gomes foi paralítico por mais de trinta anos e morreu quase cego.
[3]  Já em vida tinha ele essa generosa preocupação com a minha fraqueza, procurava fortalecer-me sempre em minhas tarefas.
[4] Dessa nova colaboração tive intuição pelo aumento considerável no rendimento do meu trabalho e mais tarde tive um aviso de Emmanuel no mesmo sentido. Caracterizou-se o auxilio pela improvisação de vários livros que publiquei em poucos anos e nos quaís nunca havia pensado antes. Até aos 46 anos de idade eu não havia publicado um só livro e dos 47 aos 51 publiquei uma dezena.
[5] Alusão à identidade de ideais e de tarefas dos nossos espíritos, há muitos séculos ligados um ao outro pela afinidade e laços de família.
[6] "No momento" o Esperanto polariza nossas energias e ideais. Abel Gomes e outros Espíritos estão ditando poemas doutrinários em Esperanto. Muitos Espíritos, dirigidos pelo Dr. L. L. Zamenhof, trabalhavam ardorosamente para o êxito do X Congresso Brasileiro  de Esperanto, no momento em que foi recebida esta mensagem, certamente do qual eu era o Secretário Geral; mas tudo isso  "no momento", porque depois de entrar o Esperanto para o uso geral, esse ideal estará alcançado e poderemos tratar de outros trabalhos. O trabalho pelo Esperanto é limitado no tempo, enquanto que o do Espiritismo perder-se-á pela eternidade em fora.
[7] São os espíritos rotineiros, reacionários, que querem impedir o progresso, e prender a Humanidade ao passado, às tradições que julgam eternas, a livros e autores que reputam sagrados e  imutáveis; reagem contra a evolução e do alto de suas orgulhosas cátedras, ostentando comendas e títulos mundanos, clamam quixotescamente contra. os progressistas: “Basta!”. É necessário muita paciência para passar avante, sem ser crucificado por eles. Graças a Deus, eles também terão que progredir em futuras encarnações.
[8] Estêvão, Joaquína e Estevina Magalhães que foram meus companheiros de trabalhos ídealístícos na Terra e, segundo outras comunicações de Espíritos, formam uma família espiritual da qual  temos feito parte muitas vezes em anteriores encarnações. A propósito dessa colaboração já tivemos outras informações, uma delas publicada em mensagem de Quininha (D. Joaquina Magalhães). Os outros dois nunca se comunicaram comigo, porém, eu lhes sinto a presença e o auxílio intelectual



Nenhum comentário:

Postar um comentário