Translate

sábado, 18 de outubro de 2014

Novas Revelações


Novas Revelações
Leopoldo Cirne
por W. Vieira
Reformador (FEB) Novembro 1962

            Clamas por revelações transcendentes através dos canais medianímicos.

            Com razão almejas o bem de todos no esclarecimento comum; entretanto, a revelação há de ser gradativa para ser produtiva.

            A Humanidade atravessa hoje a puberdade espiritual, fase crítica de progresso, período de transição, caminho de novo ajuste.

            Efetivamente, existem no Plano Superior inventos e descobertas que o homem está longe de conceber; no entanto, como apressar-lhes o surgimento no plano físico sem a necessária certeza de que se farão recursos do bem?

            A locomotiva não corre sem trilhos. O avião pede base. A própria profecia há de, acomodar-se nas hipóteses e nos símbolos para não arruinar o presente no circulo vicioso de inúteis indagações.

            Em toda a parte, exprime-se a luz por graus, preservando a visão, tanto quanto o alimento requisita dosagem no sustento à saúde.

            Adotemos atitude construtiva e serena no levantamento da evolução que, no fundo, é semelhante ao edifício que se alteia, tijolo a tijolo.

            Pressa é dissipação.

            Habitualmente, quando encarnados, abeiramo-nos dos missionários das grandes renovações para confundir-lhes a obra, ao invés de ajudá-la.

            Desprezando as forças da luz que nos convidam paro a vanguarda, mancomunamo-nos espontaneamente com aqueles mesmos irmãos do passado menos feliz, na retaguarda sombria a que ainda nos filiamos.

            E aderimos, sem perceber, à perturbação instintiva.

            Se a luz nos visita, procuramos as trevas.

            No foguete pirotécnico da alegria, buscamos inspirações para o balístico intercontinental da morte rápida...

            Das máquinas de solidariedade entre os povos, criamos bombardeiros destruidores...

            Do conhecimento do átomo para a paz, forjamos a bomba dos megatons que se pluralizam...

            O próprio Espiritismo não escapou de nossas intromissões indébitas.

            Da tiptologia digna e séria, muito gente passou aos espetáculos frívolos das mesas girantes...

            Companheiros invigilantes transfiguraram a clarividência em salão da buena-dicha...

            Da psicofonia edificante, outros muitos fizeram arena de ociosa conversação...

            E apareceram oportunistas à margem da sementeira.

            Se um pai desencarna, surgem filhos que lhe desejam a voz pelo filtro mediúnico, não para haurirem consolações, mas para resolverem processos de herança nos tribunais.

            Se um amigo parte para o Além, é invocado por muitos à conta de oráculo em problema de que só a polícia pode ser fiadora.

            À vista disso, de que serviriam a materialização incondicional das inteligências desenfaixadas da carne, o desdobramento da personalidade a qualquer hora, a comunicação ostensiva e indiscriminada da multidão com a Esfera Espiritual ou o intercâmbio imediato e positivo com os habitantes desencarnados de outros planetas?

            Não podemos entregar uma tocha acesa à criança, sem a pena de vê-la calcinar a si própria.

            Saibamos, assim, crescer para o Infinito, a que somos destinados na Criação, através do trabalho que devemos ao nosso aperfeiçoamento...

            Não vale fazer lume, queimando o embrião da vida.

            Cinzas não formam luz.

            Entesouremos responsabilidades e o Senhor nos considerará responsáveis.

            Não há verdadeira conquista sem justo merecimento.

            Em matéria de novas revelações, por agora, é preciso aprender a amar para conhecer, assim como quem se dispõe a sangrar os pés na escabrosa subida para alcançar os cimos e descortinar mais amplos trechos da paisagem na grandeza da luz.


Nenhum comentário:

Postar um comentário