Translate

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Roustaing: Legado de Bezerra


“Roustaing” – Legado de Bezerra 
Tobias Mirco (Indalício Mendes)
Reformador (FEB) Dezembro 1966

            Desde que comecei a compreender “Os Quatro Evangelhos” e sua alta importância para a interpretação correta dos livros de Mateus, Marcos, Lucas e João, passei a considerar essa notável obra que Jean-Baptiste Roustaing divulgou, sem dúvida inspirado pelo Alto, como um complemento da outra monumental obra, subscrita por nosso amado mestre Allan Kardec. O fato de ter sido a mesma estudada e recomendada pelo Dr. Adolfo Bezerra de Menezes, então presidente da Federação Espírita Brasileira, e prestigiada por homens da mais alta envergadura moral, como Bittencourt Sampaio, Antônio Luiz Sayão, Pedro Richard, Leopoldo Cirne, Aristides Spínola, GuilIon Ribeiro, Manuel Quintão e outros, me deu a segurança de que “Os Quatro Evangelhos” nada tem que justifique a estranha repulsa de alguns poucos confrades, os quais, afinal, têm o direito de conservar sua opinião, como nós conservamos a nossa. De qualquer maneira, de nada adianta polemizar. Os argumentos contra Roustaing são sempre os mesmos e já foram pulverizados.

            Se a obra “Os Quatro Evangelhos” contivesse o que quer que fosse incompatível com a Doutrina Espírita, certo que Bezerra de Menezes a deixaria de lado. Entretanto, com a sua autoridade moral, doutrinária e evangélica, decidiu publicá-la nesta revista, a partir de 15 de Janeiro de 1898, e depois em livro.

            Tem havido injustiça dos que repelem Roustaing, como se ele fora não um espírita, mas um inimigo do Espiritismo. No entanto, não lhe apontam deficiências morais, por impossível, nem possuem outros recursos, além do estafado tema do “corpo fluídico”, para impugnarem a obra. Os que realmente a leram e lhe entenderam a substância, não a recusam. Os que a leram, sem a compreender em espírito e verdade, negam a obra inteira apenas porque não concordam com o “corpo fluídico”, como se isto fosse uma extravagância dentro do vasto campo da fenomenologia espírita. Lá existe um mundo de revelações magníficas por sua lógica irrespondível e edificantes consequências, revelações devidas aos Espíritos dos Apóstolos e dos Evangelistas. Roustaing não foi sequer o médium, mas o coordenador do trabalho. tal como sucedeu com Kardec em relação aos livros que constituem o corpo doutrinário do Espiritismo.

            Não se pode aceitar a errônea suposição de que desconhecem a Codificação, a Doutrina, enfim, os que aceitam Roustaing. Isto constitui falso e precipitado julgamento, que envolve até eminentes vultos do Espiritismo brasileiro, conforme os que acima mencionamos, além de constituir negação aos princípios de esclarecida tolerância aconselhados por Allan Kardec.

            Ora, quando surgiu a obra “Os Quatro Evangelhos”, de Roustaing, Kardec lhe noticiou o aparecimento em sua revista, às páginas 190-192, do mês de Junho de 1866, apresentando-a como obra considerável, com o mérito de não estar em contradição com a Doutrina ensinada em “O Livro dos Espíritos”, em “O Livro dos Médiuns” e em “O Evangelho segundo o Espiritismo” (únicas obras até então transmitidas ao Codificador), ressaltando que ela continha ensinamentos incontestavelmente bons e verdadeiros e que merecia consultada com proveito pelos espíritas conscienciosos” (“Elos Doutrinários” - Ismael Gomes Braga).

            Quando se diz ser de Roustaing “Os Quatro Evangelhos” e de Kardec as obras da Codificação, não significa isso que sejam um e outro os autores reais das mesmas. É uma maneira de dizer, simplesmente.

            Não é admissível se silencie a verdade para não desgostar os que não a entendem ou dela se desinteressem. Disse Helvetius que “a verdade não pode ser nociva” e não o é mesmo. Demais, Kardec, ao receber a obra de Roustaing, escreveu na Revue Spirite (1866), aludindo ao “corpo fluídico”, à materialização de Jesus: “Nada há nisso de materialmente impossível, para quem conhece as propriedades do envoltório perispiritual”   (“O Cristo de Deus” - Manuel Quintão). Tanto este raciocínio é correto que, em “Obras Póstumas”, pág. 20. n. 19 (Manuel Quintão, ob. cit.) , o Codificador assim explicou: “O Espírito que quer ou pode aparecer, reveste algumas vezes forma ainda mais clara; toma as aparências de um corpo sólido, a ponto de produzir perfeita ilusão fazendo crer que é um ser corpóreo. Em alguns casos, em dadas circunstâncias, a tangibilidade pode tornar-se real, isto é: podemos tocá-los, apalpá-los, sentir a mesma resistência e o mesmo calor, como se fora um corpo vivo, o que não o priva de desfazer-se com a rapidez do relâmpago. Pode, pois, estar-se em presença de um Espírito, conversando com ele, e crente de se tratar com um homem” (o grifo é nosso ).

            A propósito, temos aí “O Livro de Tobias” editado pela Federação Espírita Brasileira e dedicado “à querida memória de Ewerton Quadros, Bittencourt Sampaio, Antônio Luiz Sayão, Bezerra de Menezes, Pedro Richard, Leopoldo Cirne, Aristides Spínola e Guillon Ribeiro”, todos rustenistas”. Esse livro “relata o caso da materialização de um Espírito superior que para cumprir sua missão na Terra, formou um corpo em tudo semelhante aos nossos, substancial e duradouro, mas que se desfez diante dos olhos de dois homens, assim como o de Jesus se desfez diante dos judeus que o queriam apedrejar”.

            Se tal Espírito e se outros Espíritos de menor elevação, como o de Katie King, por exemplo, puderam e podem materializar-se por longo tempo e apresentar a tangibilidade e outras características comuns ao corpo vivo, porque Jesus, Governador do Planeta, Espírito da mais alta grandeza, senhor de todos os segredos espirituais e de toda a gama de fluídos, além de um poder tão grande que escapa à nossa avaliação, não poderia tê-lo feito, numa época em que a Humanidade, ainda muito atrasada, necessitava de revelações importantes e de uma orientação enérgica para sua vida moral? Como essa Humanidade ainda não estava preparada para suportar a realidade espírita e tinha precisão das lições deixadas pelo Mestre, a aparência perfeita do corpo carnal supriria, como supriu, as necessidades impostas pela época, pelos preconceitos, pela incompreensão, pelo sectarismo e pela ignorância. Hoje, há quase dois milênios da vinda do Cristo, parece que não houve muito progresso ...

            O que deve caracterizar o espírita é a serenidade, a tolerância lúcida, a ausência de sectarismo. Roustaing é o legado de Bezerra de Menezes. Quando dizemos Roustaing, claro está - que dizemos “Os Quatro Evangelhos”, a chave de que o mundo precisava para verdadeiramente interpretar com precisão as preciosidades do Novo Testamento, muitas vezes ocultas sob o véu da letra. Bezerra de Menezes, que deixou em sua passagem pela Terra um rastro de luz, no caminho sacrossanto da caridade, ainda hoje nos manda, do Além, sempre a serviço de Jesus, as suas vibrações benéficas, em favor de quantos sofrem de males da carne e da alma.


            E não nos esqueçamos de que Kardec nos traçou a trajetória, ao nos deixar o lema: Trabalho - Solidariedade - Tolerância. 


Obs.: 
1   Grifos do Blog.
2   Caso você não encontre os livros citados neste artigo junto às livrarias mais populares você pode buscar em vendedores de livros usados como Livronauta ou Estante Virtual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário