Translate

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Fatalidade e Livre Arbítrio


   Fatalidade e livre arbítrio
Emmanuel por Chico Xavier
Reformador (FEB) Abril 1954

            Antes do regresso à experiência na carne, nossa alma em prece roga ao Senhor a concessão da luta para a obra sublime de nosso próprio reajustamento.

            Solicitamos a reaproximação de antigos desafetos...

            Imploramos o retorno ao círculo de obstáculos que nos presenciou a derrota em romagens mal vividas...

            Suplicamos a presença de verdugos com quem cultiváramos o ódio, para tentar a cultura santificante do amor ...

            Pedimos seja levado de novo aos nossos lábios o cálice das provas em que fracassamos, esperando exercitar a fé e a resignação, a paciência e o valor...

            E com a intercessão de variados amigos que se transformam em confiantes avalistas de nossas promessas, obtemos a bênção da volta.

            Efetivamente, em tais circunstâncias, o programa de trabalho surge traçado.

            Somos herdeiros do nosso pretérito e, nessa condição, arquitetamos nossos próprios destinos. Entretanto, imantamos temporariamente ao veículo terrestre, acariciamos nossas velhas tendências de fuga ao dever nobilitante.

            Instintivamente, tornamos, despreocupados, à caça de vantagens físicas de caprichos perniciosos, de mentiroso domínio e de nefasto prazer.

            O egoísmo e a vaidade costumam retomar o leme de nosso destino e abominamos o sofrimento e o trabalho, quais se fossem duros algozes de nossa alma, quando somente com o auxílio deles conseguimos soerguer o coração para a glória suprema a que somos endereçados.

            É, por isso, que fatalidade e livre arbítrio coexistem nos mínimos ângulos de nossa jornada planetária.

            Geramos causas de dor ou alegria, de saúde ou enfermidade em todos os momentos de nossa vida.

            O programa de regeneração volta conosco ao mundo consoante as responsabilidades por nós mesmos assumidas no pretérito remoto e próximo; contudo, o modo pelo qual nos desvencilhamos dos efeitos de nossas próprias obras facilita ou dificulta a nossa marcha   redentora da estrada obscura que a carne nos oferece.

            Aceitemos, pois, os problemas e as aflições que a Terra nos Impõe agora, atendendo aos nossos próprios desejos, na planificação que ontem organizamos, fora do corpo denso, e tenhamos cautela com o modo de nossa movimentação no campo de nossas tarefas, porque conforme as nossas diretrizes de hoje, na preparação do futuro, a vida nos oferecerá amanhã paz ou guerra, felicidade ou provação, luz ou treva, bem ou mal.


Nenhum comentário:

Postar um comentário