Translate

quarta-feira, 26 de julho de 2017

O pão é nosso


O pão é nosso
Vinicius (Pedro de Camargo)
Reformador (FEB) Janeiro 1943

O pão nosso de cada dia, dá-nos hoje... eis o que Jesus nos ensina a pedir diariamente.

O pão nosso, notemos bem. Não é o meu, nem o teu, nem o dele, nem o vosso: é simplesmente o "nosso". O possessivo "nosso" quer dizer que é de nós, que respeita aos homens em geral. Solicitamos, portanto, a parte que nos toca daquele pão que é de todos, que é próprio e natural da terra onde nascemos, ou seja do planeta que ora habitamos. O adjetivo "nosso" tem acepção genérica e não particular.

O pão, pois, que vem da terra é nosso, é do gênero humano, por isso que constitui necessidade inalienável de todos, sem distinção de raça, nação, povo ou classe. É Deus quem no-lo dá, porquanto, a germinação do grão no seio da terra importa noutros tantos milagres da multiplicação dos pães, prodígio esse que se opera à revelia nossa.

"O homem semeia, Deus dá o crescimento". O homem ingere o pão, Deus o transmuda em sangue, base da vida animal. Daí por que devemos pedir o pão a Deus e não a outros homens. Cumpre, pois, reconhecer com humildade que o pão vem de Deus para todo o gênero humano. Rogamos que nos seja dada a parte desse pão, necessária à nossa subsistência. A parte procede do todo, desse "todo" que é de todos, não constituindo, por conseguinte, propriedade exclusiva de ninguém.

O pão para o corpo, como o pão para o Espírito, isto é, tudo o que concerne às necessidades humanas sob seu duplo aspecto - material e espiritual - constitui um bem que vem de Deus, uma dádiva do Pai celestial a todos os seus filhos, indistintamente, por isso que "Ele faz nascer o seu sol sobre bons e maus, e vir as chuvas para fecundar o campo dos justos e dos injustos."

Não existe diferença fundamental entre o pão do corpo e o da alma. O pão simboliza os reclamos do homem, tanto em sua matéria, como no seu Espírito. Por isso, na santa ceia, Jesus tomou o pão inteiro e, partindo-o, deu a cada discípulo a parte que lhe tocava, dizendo: Tomai e comei. Na justa distribuição do pão está a divina eucaristia; pois em tal importa o cumprimento da soberana Lei do Amor.

A Terra é nossa, o pão é nosso, o planeta é nosso, o sol é nosso, as chuvas são nossas, o ar respirável é nosso; as possibilidades são nossas, as faculdades de melhorar, subir e crescer nos conhecimentos e na virtude, no bem e no belo são, igualmente, nossas.
Enquanto os homens não compreenderem essa sublime verdade e não se orientarem por esse critério, não haverá paz nem felicidade neste mundo.

*****************************
A crença cega é morta, comparável à luz mortiça dos ambientes fechados.
É preciso ler, estudar, perquirir sempre, como quem sabe que o progresso e a verdade são infinitos.

Procurem os bons livros e terão adquirido um cabedal de vida eterna, patrimônio da alma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário