Translate

sábado, 2 de janeiro de 2016

Fel de provação


Quando a amargura visitar-te a casa,
Em fel de provação,
Não te esqueças do pranto que extravasa
Do lar de teu irmão.

Na angústia mais sombria, mais extrema,
Não desdenhes calar...
Muita boca infeliz grita e blasfema
Quando julga rezar.

Acharás menos sombra no caminho
Quando encheres de amor
O escuro sofrimento do vizinho
Mergulhado na dor.

Pensa na retaguarda de infelizes
Que te seguem sem pão,
Cheios de fome, sede e cicatrizes,
Desencanto e aflição.

Serve e passa esquecendo o mal e atreva
Porque o dom de servir
É a força luminosa que te eleva
Às bênçãos do porvir...

Não olvides que o Mestre da verdade,
Para fazer mais luz,
Fez-se o Divino Rei da Humanidade
Pelo escárnio da cruz...

Carmen Cinira
por Chico Xavier

Reformador (FEB) Março 1950 

Nenhum comentário:

Postar um comentário