Translate

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Personalismo e Espiritismo


            Expandindo-se, popularizando-se, passando a merecer as atenções de todas as classes que constituem a sociedade humana, o Espiritismo teria de sofrer também, como está sofrendo, a invasão de indivíduos que a ele foram atraídos mais por ambições personalistas do que, verdadeiramente, por sentirem necessidade de seguir diretrizes novas, capazes de os levar à desejada renovação interior. Todavia, o Espiritismo não os repele, não os condena, mas tem a preocupação de os esclarecer, desejando que se esforcem para combater o egotismo, banhando o espírito nas luzes da Doutrina e do Evangelho. Há, todavia, pessoas que se deslumbram com os ouropéis da própria inteligência e não admitem se lhes tente restringir os voos da ambição exibicionista. Como Narciso, enamoram-se de si mesmos e se perdem, afinal.

            Não pode o Espiritismo conservar-se passivo, por mal compreendida tolerância, ante as consequências realmente danosas do personalismo. Cabe-lhe o direito de defender-se, porque sua Doutrina não aceita essa expressão insofismável de egoísmo, tanto assim que, em “O Livro dos Espíritos”, onde se trata da “Perfeição moral”, há a seguinte resposta à pergunta nº 893, sobre “Qual a mais meritória de todas as Virtudes?": "Toda virtude tem seu mérito próprio, porque todas indicam progresso na senda do bem. Há virtude sempre que há resistência voluntária ao arrastamento dos maus pendores. PORÉM, A SUBLIMIDADE DA VIRTUDE ESTA NO SACRIFÍCIO DO INTERESSE PESSOAL PELO BEM DO PRÓXIMO, sem pensamento oculto . A mais meritória é a que assenta na mais desinteressada caridade." Diante disto, recusando o personalismo, a Doutrina se firma num princípio evangélico. Em outra trecho esclarecem os Espíritos, na mesma obra, que o sinal mais característico da imperfeição é o interesse pessoal.

            O Espiritismo, contudo, não expulsa de seu seio os personalistas, como não rejeita ninguém. Acolhe-os, porque sua missão é melhorar o homem, promover sua reforma íntima, para que, um dia ele seja realmente espírita, isto é, um homem perfeitamente integrado na Doutrina e, por isto mesmo, útil à sociedade, aos seus semelhantes, por sua valorização moral, por seus sentimentos apurados, por sua inteligência cultivada no altruísmo. Ensina Allan Kardec, em "Obras Póstumas", que "a inteligência nem sempre constitui penhor de moralidade e o homem mais inteligente pode fazer péssimo uso de suas faculdades. Doutro lado, a moralidade, isolada, pode, muita vez, ser incapaz. A reunião dessas duas faculdades, INTELIGÊNClA e MORALIDADE, é, pois, necessária a criar uma preponderância legítima"...

            A maneira mais positiva de se combater o personalismo, que medra em certos setores espíritas, será a difusão cada vez maior da Doutrina, sua explanação clara, a interpretação cuidadosa e repetida de seus diferentes pontos. Pela compreensão progressiva dos deveres doutrinários, a criatura humana irá aprendendo a modificar-se, realizando tentativas sobre tentativas para usufruir os benefícios resultantes da condição de espírita consciente de suas responsabilidades no Espiritismo e, concomitantemente, na vida de relação. Demonstrar os erros e excessos do personalismo é tarefa benfazeja, porque a ação dele é corrosiva. Pode esconder-se na simulação, tornando-se, aí, ainda mais perigoso, por induzir os menos atentos a solidariedades negativas, embora com a aparência de incontestável apoio na verdade. É fácil distinguir o espírita verdadeiro do falso espírita. Quem demonstra por atos e palavras estar fiel à Doutrina e ao Evangelho, e nada faz que desminta essa fidelidade, é espírita; quem apenas fala, mas não consolida suas palavras com a exemplificação inequívoca, não é espírita. Não nos esqueçamos de que “a árvore que produz maus frutos não é boa e a árvore que produz bons frutos não é má; portanto, cada árvore se conhece pelo seu próprio fruto” - diz o Evangelho. “Guardai-vos dos falsos profetas que vêm ter convosco cobertos de peles de ovelha e que por dentro são lobos rapaces” - adverte ainda a lição evangélica. “Levantar-se-ão muitos falsos profetas que seduzirão a muitas pessoas; e, porque abundará a iniquidade, a caridade de muitos esfriará. Mas, aquele que perseverar até ao fim se salvará” - disse o Cristo.

            Só podem iludir-se, portanto, os que não estão em dia com os postulados doutrinários e os ensinamentos evangélicos. Para muita gente, o essencial, nos atribulados dias de hoje, é cultivar a aparência, para melhor iludir. Ser espírita é uma coisa, parecer que o é, outra bem diversa. Os espíritas compenetrados de seus deveres em face da Doutrina nada aceitam sem exame, sem passar cada ideia, cada opinião, cada atitude pelo crivo doutrinário, à luz do Evangelho. Às vezes uma ideia parece muito boa, quando defendida por indivíduos sagazes e de fácil expressão. Analisada com serenidade, pode revelar, por trás do brilho enganador, propósitos incompatíveis com a realidade espírita. Eis por que o Espiritismo tem de permanecer alerta, para que os espíritas que confiam na Doutrina codificada por Allan Kardec não sejam vítimas de simuladores, cujas ideias são para a nossa religião o que foi para os troianos o “cavalo de Tróia”.

Personalismo
e Espiritismo

Túlio Tupinambá / (Indalício Mendes)

Reformador (FEB) Julho 1958

Nenhum comentário:

Postar um comentário