Translate

sábado, 20 de junho de 2015

Perdão e Liberdade

             Aprendamos a perdoar, conquistando a liberdade de servir.

            É imprescindível esquecer o mal para que o bem se efetue.

            Onde trabalhas, exercita a tolerância construtiva para que a tarefa não se escravize a
perturbações...

            Em casa, guarda o entendimento fraterno, a fim de que a sombra não te algeme o espírito ao desespero...

            Onde estiveres e onde fores, lembra-te do perdão incondicional, para que o auxílio dos outros te assegure paz à vida.

            É indispensável que a compreensão reine hoje entre nós, para que amanhã não estejamos encarcerados na rede das trevas.

            A morte não é libertação pura e simples.

            Desencarnar-se a alma do corpo não é exonerar-se dos sentimentos que lhe são próprios.

             Muitos conduzem consigo, além-túmulo, uma taça de fel envenenado com que aniquilam os melhores sonhos dos que ficaram na Terra, e muitos dos que ficam na Terra conservam consigo no coração um vaso de fogo vivo com que destroem as melhores esperanças dos que demandam o cinzento portal do túmulo.

            Não procures para tua alma o inferno invisível do ódio.

            Acomoda-te com o adversário ainda hoje, procurando entendê-lo e servi-lo, para que amanhã não te matricules em aflitivas contendas com forças ocultas.

            Transferir a reconciliação para o caminho da morte é atormentar o caminho da própria vida.

            Desculpa sempre, reconhecendo que não prescindimos da paciência alheia.

            Nem sempre somos nós a vítima real, de vez que, por atitudes imanifestas, induzimos o próximo a agir contra nós, convertendo-nos, ante os tribunais da Justiça Divina, em autores intelectuais dos delitos que passamos a lamentar indebitamente diante dos outros.

            Toda intolerância é violência.

            Toda dureza espiritual é crueldade.

            Quase sempre, a crítica é corrosivo do bem, tanto quanto a acusação, habitualmente é um chicote de brasas. 

            E sabendo que encontraremos na estrada a projeção de nós mesmos, conservemos o perdão por defensor de nossa liberdade, ajudando agora para que não sejamos desajudados depois.

Perdão e Liberdade
Emmanuel
por Chico Xavier

Reformador (FEB) Junho 1957

Nenhum comentário:

Postar um comentário