Translate

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Espiritismo e Política


Espiritismo
e Política

Boanerges da Rocha (Indalício Mendes)
Reformador (FEB) Julho 1958

            Na grande marcha do Espiritismo para o porvir, é impossível desconhecer-se o perigo das afirmações vãs, das atitudes insinceras e, sobretudo, das simulações que tendem a desiludir e chocar as pessoas simples de coração. Vivemos uma época de profundas conturbações, que podem significar a agonia do materialismo, que está queimando todos os seus últimos cartuchos. Daí a onda de depravação que sacode muitos países, tirando aos homens e às mulheres a faculdade do raciocínio, levando a juventude a desregramentos incompatíveis com a verdadeira felicidade. Materialismo é negação. O - que se vê no mundo contemporâneo é uma ânsia mórbida de prazeres, muitos dos quais inconfessáveis. O culto da família nem sempre é mantido com a mesma pureza de outros tempos, porque homens e mulheres entendem a vida por outro prisma, ofuscados pelas promessas materialistas e ludibriados por organizações religiosas que de há muito abdicaram os princípios éticos que as originaram. Daí toda essa confusão, toda essa irresponsabilidade que faz dos homens títeres de paixões subalternas, paixões que conspurcam lares e arrojam famílias nas sombras do infortúnio.

            Uma religião que, para sobreviver, necessita transigir com os seus naturais adversários, é uma religião decadente, agonizante, que se agarra desesperadamente a tudo para evitar o deperecimento evidente. Nessas condições, fecha os olhos ao abastardamento dos costumes, amancebando-se com a política, dela participando ostensivamente e buscando impugnar tudo quanto possa constituir obstáculo às suas discutíveis ou suspeitas pretensões. Esse é o espetáculo que a História nos oferece, desde recuados tempos.

            O Espiritismo, além de Ciência e Filosofia, é Religião liberal, que não está presa à golilha da intolerância e do fanatismo. Em vista de sua liberalidade, no entanto, alguns elementos entendem dever realizar atos e programas que de certa forma afetam as normas de atividade doutrinária. Não devemos imitar jamais as práticas de religiões desespiritualizadas, que se aboletaram em prateleiras políticas e com isso renunciaram à própria independência moral. Se o Espiritismo pretendesse seguir tão perigoso e censurável rumo, não lhe faltariam Constantinos, sôfregos de participarem da nossa obra, dispostos a engrandecê-la, defendendo-a, auxiliando-a materialmente, combatendo os que a combatem, esmagando os que a querem esmagar, etc. Mas, reflitamos um pouco, isso tudo seria benéfico ao Espiritismo? Não! Representaria sua desgraça, porque viria macular a pureza dos seus ideais e o faria abastardar-se tanto e tanto, que, dentro de poucos anos, sua doutrina seria uma colcha de retalhos, talvez multicolorida, mas sem consistência alguma! Tornar-se-ia viveiro de oportunistas políticos, que poderiam arengar nas praças públicas, citar Kardec, relembrar passagens evangélicas, de maneira a empolgar os menos avisados, levando-os a decisões completamente diversas daquelas que a Doutrina sugere e ensina, pois o Espiritismo é apolítico, absolutamente apolítico.

            Que tem feito a Federação Espírita Brasileira? Permanecer fiel à Doutrina, relembrando, consoante a palavra de Allan Kardec (“Obras Póstumas”, 11ª ed., pág. 336), que “a constituição do Espiritismo tem como complemento necessário, no que concerne à crença, um programa de princípios definidos, sem o qual seria obra sem alcance e sem futuro”. Diante dos postulados doutrinários e mesmo em face da tradição que há 100 anos nos orienta, não deve jamais o Espiritismo intrometer-se em lutas políticas, indicando candidatos ou apoiando nomes, por mais respeitáveis que o sejam, e, mais absurdo ainda, criando órgãos especializados para tais fins. Cumpre-nos dilatar progressivamente a distância que já nos separa de religiões constantinizadas, de grupamentos religiosos que sobrepuseram à estrutura ética de seus credos meras ambições políticas, discutíveis vantagens profanas, que rebaixam, que aviltam, que destroem a autoridade que a Religião precisa conservar a fim de se perpetuar no respeito e na compreensão dos povos.

            Desfraldar no cenário das contendas políticas o nome do Espiritismo será enfraquecê-lo por imitações espúrias, que, além do mais, pecam pela absoluta falta de originalidade, porquanto religiões esgotadas se arrastam penosamente nos pleitos eleitorais, esquecidas de seus compromissos espirituais e divorciadas dos deveres elementares do Evangelho. Os que assim não pensam, e insistem em levar o Espiritismo ao campo dos recontros políticos, desconhecem as obrigações doutrinárias e muito mais ainda as responsabilidades evangélicas. Divergem, nesse ponto, da Federação Espírita Brasileira, porque não concebem a acendrada fidelidade que ela timbra em manter ao seu passado de perfeita identidade com a Doutrina. E, por vias transversas, acometem-na, investem-na, criticam--na, irritados por não conseguirem demovê-la da sólida diretriz traçada por seus maiores e reconsolidada pelo Alto. Lembremo-nos, uma vez mais, do mestre Kardec, que nos adverte “contra a ambição dos que, a despeito de tudo, se empenham por ligar seus nomes a uma inovação qualquer”. Retemperemos as forças na repeticão dos conselhos do Codificador: “Se, porém, o Espiritismo não pode escapar às fraquezas humanas, com as quais se tem de contar sempre, pode todavia neutralizar lhes as consequências e isto é o essencial.”

            Compreende-se que, em face do extraordinário progresso do Espiritismo no seio do povo, haja políticos interessados em aproveitar-se de tão rico filão. Imiscuindo-se no ambiente espírita, pretendem arregimentar inexperientes confrades ou vacilantes adeptos em torno de seus galhardetes partidários. Cada espírita, de per si, e por si, pode tomar a posição política que lhe agradar. Dispõe de seu livre arbítrio e responde pelo bom ou mau uso do mesmo. Não pode, porém, falar politicamente em nome do Espiritismo, porque, repetimos, o Espiritismo é essencialmente apolítico e deseja permanecer longe das competições partidárias. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário