Translate

domingo, 26 de abril de 2015

Contradição Irremovível

Contradição Irremovível
Editorial
Reformador (FEB) Março 1973

            Simeão, o homem justo e temente a Deus, ao ver o menino que fora levado ao templo, tomou-o nos braços e desferiu a advertência profética:

            “Este menino vem para ser alvo da contradição dos homens”... Assim foi. O Mestre, no desempenho de sua missão, não fez senão criar situações que provocaram as mais desencontradas opiniões. O que ele dizia chocava, e o que fazia escandalizava. Os judeus não poderiam compreender uma criatura que se dizia portadora da salvação e que mandava pagar o tributo ao invasor. Não fazia sentido a afirmativa daquele paranoico que investia contra a tradição mais intocável, ao obrar milagres no “dia consagrado ao Senhor” e dizer sandices como a de que o sábado é que foi feito para o homem ...

            Os próprios companheiros de missão apostolar não possuíam condições para entendê-lo integralmente. Ao deixar perceber que aconteceriam coisas que contrariavam frontalmente todas as expectativas humanas, a reação foi tão desabrida que Jesus se viu na contingência de repreender a Pedro: “Afasta-te de mim, Satanás!” As palavras do Messias criaram um clima de tal inconformação que a debandada foi quase geral, a ponto de levá-lo a indagar dos próprios companheiros por ele escolhidos: “E vós, não quereis também retirar-vos?” O Cristo falava das coisas da Vida Eterna, enquanto os homens não tinham ouvidos senão para as coisas da terra. E, mesmo quando falava destas, não era compreendido: “Se não me credes quando vos falo das coisas terrenas, como me crereis quando vos fale das coisas celestiais?”

            Dobaram os séculos. Quase 1.900 anos após, surge no mundo o Consolador que viria restaurar as coisas e dar sanção complementar às lições do Cristo. No desempenho dessa missão, ele também teria de chocar as criaturas com o que diz, escandaliza-as com o que propõe. Não poderia fugir ao mesmo vaticínio: “Esta obra veio para ser alvo da contradição dos homens”. E assim tem sido. O mundo, ou ignora o Espiritismo, ou crê que ele veio (e não teria outra finalidade) tão somente para resolver os problemas da vida transitória. Até mesmo os espíritas se tem deixado contagiar por essa ideia. Por toda parte, se denota o afã de torná-lo instrumento de relevo no mundo. Parece que os espíritas se estão deixando dominar pelo “gosto das coisas terrenas”, e se desdobram em esforços, consciente ou inconscientemente, no sentido de acomodarem os interesses exteriores e imediatos com os supremos fins do espírito imortal. Mostram-se excessivamente preocupados com a posição do Espiritismo no cenário do mundo, fazendo questão, por exemplo, de que ele esteja presente nas solenidades de grande estilo programadas pelas autoridades e instituições de projeção social.

            Reivindicam, para ele, o estatuto de igualdade com as chamadas “religiões oficiais”, ou com aquelas ditas “dominantes”, ao feitio das exterioridades mundanas. Esquecem-se, simplesmente, de que ele não tem “representantes”... Outros julgam que a Doutrina Espírita só se firmará e afirmará no dia em que conseguir arrebanhar as criaturas aos magotes, a modo de “rolo compressor”, como se o problema se restringisse a simples contatos epidérmicos. Preocupam-se muito com suas expressões estatísticas e, por isso, redobram esforços para que o Espiritismo “cresça e apareça”. E, então, adotam, enfaticamente, os mais variados recursos da tecnologia moderna, para aumentar o número de prosélitos. Querem a “produção em massa”...

            A Doutrina, em sua essência, porém, vive muito distante desses ruídos. Ela aí está para restaurar a singeleza e a pureza dos ensinamentos evangélicos, e, para evitar qualquer reincidência nas ilusões do mundo, assumiu a legenda: “Fora da Caridade não há salvação”. E, a fim de evitar enganos, nada melhor que recordar o conceito de Paulo sobre a caridade. ... O Espiritismo, na verdade, ainda é alvo da contradição dos próprios espíritas. Chegará um momento, parece, em que ele terá de indagar dos seus profitentes: “E vós, não quereis também retirar-vos?”


Nenhum comentário:

Postar um comentário