Translate

sábado, 30 de maio de 2015

Transição

A palavra morrera na garganta.
Alguém me estende o suco de uma pera.
Busco em vão engolir... Anoitecera...
E cresce a angústia imensa que me espanta.
Horas passam... A dor se me agiganta.
Não mais posso agitar as mãos de cera.
Recordo, em pranto, o tempo que perdera,
Arrimando-me à fé serena e santa.
    Mas surge doce estrela refulgindo,
                               E vejo o nosso Eurípedes sorrindo...
                                     Surpresa enorme o coração me invade
                                       Descansa agora o corpo em paz  segura 
                                    E, chorando de dor e de ventura,
                                   Vi-me, de novo, em plena liberdade...


Transição
Cornélio Pires
por Chico Xavier

Reformador (FEB) Fevereiro 1959



Nenhum comentário:

Postar um comentário