Translate

sábado, 30 de maio de 2015

A Grande Molécula


            Depois que o Cristo exortou o homem à vigilância e à oração, este não se deveria permitir mais o direito de despencar nos desfiladeiros dos grandes equívocos mundanos, forrando-se, pelo menos, do tropeço no pior de todos: o desrespeito à liberdade. Durante muitos séculos, através da fieira das vidas sucessivas, viveu o homem ora sujeito ao tacão da coação, ora como agente dela.

            A doutrina católica, depois de codificada por São Jerônimo, Santo Agostinho, São Tomás de Aquino e o Concílio de Trento, pretendeu “melhorar” o Cristianismo primitivo e, dentre outras aberrações, promulgou a mais grave e ominosa: o cerceamento da liberdade de se pensar livremente. O “magister dixit” de Roma substituiu o “examinai tudo” do Evangelho e, necessitado de enquadrar o fiel nos rigores dos mandamentos, o Catolicismo acabou tornando-se um mostrengo estrutural, igrejificado na forma e na pedra. Costurou para as consciências a mais encolhida camisa de força, utilizando-se dos aguilhões da Inquisição e duma linha doutrinária cinzenta, embaraçada nos rolos da fumaçada infernal.

            Felizmente, o desgaste obrigou-a a contentar-se com o consenso tácito do sofrido rebanho ao ritual dos mandamentos. Mas, se, com o escorrer do tempo, arrancou-se-lhe a liberdade de ação, nem por isso se logrou, até hoje, por culpa dos formalismos nefastos, a completa liberdade consciencial.

            O Espiritismo, vindo para pulverizar qualquer estrutura religiosa, não podia incorrer nos mesmos erros, embora os condicionamentos de um passado culposo que a todos tenta arrastar. É preciso, pois, vigilância e oração permanentes para que se não restaure aquilo que a Revelação Espírita veio repudiar. Nessa vigilância, nessa oração tem permanecido a. Federação Espírita Brasileira. Montesquieu achava que “a liberdade é um bem tão apreciado, que cada qual quer ser dono até da alheia”. Não é caso da FEB, de onde jamais promanarão ordens, decretos, editos, bulas papais. Em relação aos homens, ela não manda nada e, ao ser mandada, só o é pelo Alto; não está nem abaixo nem acima de ninguém. Está e quer ficar apenas no centro. À sua volta, por adesão espontânea e sem outro motivo senão o do congraçamento, o da união solidária, estão as entidades espíritas do mundo inteiro. (Não esqueçamos que o Brasil é o Coração do Mundo.) Em Espiritismo, portanto, não existem hierarquias organográficas e, por isso mesmo, tendo de definir a sua posição e o seu papel na Terra em relação às demais organizações espíritas, a FEB prefere imaginar uma grande molécula em cujo núcleo ela se situa e onde, logo na primeira órbita, giram as entidades federadas estaduais, por sua vez rodeadas pelas sociedades espíritas locais. Todos correm centrípeta e centrifugamente, É o protótipo, em escala reduzida, da mecânica do Universo de Deus.

            Mas, impõe-se a vigilância para que se não caminhe, inconscientemente, na direção de uma nova estrutura formalística, de uma nova igreja exterior, comprometendo-se outra vez os ideais do Cristo. Em termos de Espiritismo, é sempre bom o rebate clangoroso: ninguém obriga ninguém a coisa alguma. A FEB pode discordar de muitas ideias, de muitas iniciativas, de muitos programas. Mas não impede a ninguém de propalá-los ou executá-los, assumindo cada um a responsabilidade do que diz e faz. Limita-se, como é do seu estrito dever e direito, a não emprestar o seu apoio. Todos são livres. Cada qual pensa e age como
bem lhe apraze.  A coesão da grande molécula é perfeita, porque natural. Mantém-na a própria Lei. Seu turbilhão é harmônico, preciso, sábio. Qualquer aceleração imprópria ou imprudente, originada de fora, pode fazer saltar, quanticamente, uma partícula. Ela se perderá no espaço ou se agregará a outro sistema fora do Cristo. Mas a grande molécula permanecerá estável; apenas, é claro, ressentindo a fuga do satélite, para cuja órbita um outro será naturalmente atraído.

            Essa estabilidade decorre da configuração preternatural de sua razão de ser, na qual a liberdade é o vector espiritual. Daí a sabedoria evangélica: “O Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade”.

A Grande Molécula
Editorial

Reformador (FEB) Julho 1972

Nenhum comentário:

Postar um comentário