Pesquisar este blog

segunda-feira, 19 de março de 2012

22 'Doutrina e Prática do Espiritismo' por Leopoldo Cirne



22      ***


            Dessas noções, expostas com uma simplicidade e clareza que as tornam accessíveis às inteligências menos cultas - e é este sempre o cunho dos ensinamentos formulados por Allan Kardec - parece resultar que um duplo processo, de absorção de um lado e de adaptação do outro, se efetua, isto é: à medida que se desenvolve, segundo um tipo que lhe é peculiar, o gérmen humano vai como absorvendo, molécula por molécula, o perispírito, ao mesmo tempo que, por intermédio deste, o espírito se vai adaptando à nova forma em que terá de surgir para a vida neste mundo.       

            Assim não parece, contudo, ter sido rigorosamente compreendido pelos espíritas, sobretudo pelos expositores da doutrina mais em evidencia, entre os quais é corrente, e como tal se tornou um principio geralmente admitido, que o perispírito, longe de se adaptar às linhas do corpo em gestação, é que lhe imprime a forma que este vem definitivamente a adquirir, permanecendo durante toda a vida como o seu inalterável e fiel mantenedor.

            Sobre esta última parte nenhuma objecção - acreditamos - poderá ser razoavelmente articulada. Que o perispírito, instrumento do espírito em seu poder de organização sobre a matéria, conserve em suas linhas estruturais e em sua hierarquia de órgãos e harmonia de funções o corpo físico, defendendo a integridade da forma contra a perpétua instabilidade dos tecidos, a que já noutro lugar nos referimos, facilmente se concebe e chega a se nos afigurar mesmo indubitável. Mas que essa forma resida peculiarmente no perispírito é o que não se nos afigura suficientemente demonstrado, susceptível que é de impugnação, a nosso ver, fundamentada.

                        É verdade que, entre os ensinamentos da doutrina figura o de que, na erraticidade, os espíritos conservam geralmente a forma humana, sob a qual, com efeito, costumam se apresentar em nosso meio físico, fazendo-se reconhecer pelos videntes.

            Mas essa forma permanecerá indefinidamente a mesma, assim na aparência como em todas as minúcias do que se poderia considerar a sua estrutura interna ou anatômica?

            Na ausência de ensinos positivos, da parte das Inteligências reveladoras do invisível, a respeito, as quais apenas indicaram vagamente a generalidade daquela forma, fica inteiramente livre o campo às indagações dos estudiosos, o que importa dizer que é uma questão aberta, em que à pesquisa analítica, na ausência, por enquanto, de uma faculdade direta mais segura, caberá pronunciar-se.

            Por nossa parte, fundado em razões que reputamos excelentes, optamos pela negativa à interrogação acima.

            É certo que os fenômenos de materialização, observados por investigadores conscienciosos como Wiliam Crookes, Charles Richet, Aksakof, etc., parece atestarem que os espíritos que os produziram possuíam um organismo fluídico que, tornado objetivo por aquele modo, era a reprodução integral não só da aparência como da constituição anatomo-fisiológica do corpo humano.

            É assim, por exemplo, que em suas experiências, efetuadas durante mais de três anos em sua própria casa e em seu gabinete de trabalho com a médium Florence Cook, a que no final do capítulo anterior nos referimos, William Crookes teve ocasião de verificar que Katie King, o espírito que repetidas vezes, durante aquele tempo, se materializou, apresentava todos os caracteres de uma pessoa viva, andando, conversando, deixando-se examinar e - o que é mais significativo - diferente do médium em muitas particularidades, tais como a estrutura, as proporções corpóreas, etc., sendo Katie mais alta e mais gorda que Florence Cook. Não é tudo.

            "Uma noite - refere William Crookes (1) - contei as pulsações de Katie; o pulso batia regularmente 75, enquanto o da Srta. Cook, poucos instantes depois, atingia a 90, seu número habitual. Auscultando o peito de Katie, eu ouvia um coração bater no interior, e as suas pulsações eram ainda mais regulares que as do coração da Srta. Cook, quando depois da sessão ela me permitiu igual verificação.

            (1) Ver O. d’Argonnel, FATOS ESPÍRITAS, págs. 73 in fine e 74.

            "Examinados elo mesmo modo, os pulmões de Katie se mostraram mais sadios que os do médium, pois no momento em que fiz a experiência a Srta. Cook seguia um tratamento médico reclamado por uma forte bronquite."

            Por essas e outras diferenças é que William Crookes foi induzido a afirmar:

            "Tenho a mais absoluta certeza de que a Srta. Cook e Katie são duas individualidades distintas, pelo menos, no que diz respeito aos seus corpos, Vários pequenos sinais que se acham no rosto da Srta. Cook não existem no de Katie. A cabeleira da Srta. Cook é de um castanho tão pronunciado que parece quase preta; um cacho da cabeleira de Katie, que tenho à vista e que ela me permitira cortar de suas tranças luxuriantes, depois de o ter seguido com os meus próprios dedos até ao alto de sua cabeça e de me haver convencido de que ali nascera, é de um rico castanho dourado (1)."

            (1) Obra citada, mesma pág. 73.

            Por seu lado o professor Charles Richet, observando em Villa Carmen, Argélia, as materializações do espírito Bien Boa, obtidas na residência do general Noel e que foram relatadas na edição de novembro 1905 da ANNALES DES SCIENCES PSYCHIQUES, de que ocupam 23 páginas, pode verificar que aquela entidade materializada, soprando, a seu convite, num balão de vidro contendo uma solução de barita, produziu imediatamente um precipitado de carbonato de barita, "o que prova - comentou o Sr. Gabriel Delanne em sua revista - que o espírito materializado possui pulmões que fabricam perfeitamente o ácido carbônico.”

            Pois bem, por mais perturbadoras e inexplicáveis que pareçam tais verificações, elas constituem apenas um capítulo do que poderíamos denominar a biologia transcendente, ou extraterrestre, demonstrando, ou - o que à primeira vista ocorre - que os seres desse plano possuem um organismo etéreo completo, idêntico ao organismo humano, ou - o que parece mais provável - que são capazes de o constituir peça por peça, em determinadas condições, num e noutro caso utilizando, para o tornar visível e tangível, os fluidos hauridos no médium e, porventura, no ambiente do círculo em que operam e pondo em atividade forças que lhes são familiares, mas que a ciência humana atualmente nem sequer suspeita.

            Esse processo de assimilação fluídica tem, para o corroborar, as experiências realizadas por Alexander Aksakof com o notável médium Sra. d'Esperance, particularmente as que fizeram objeto da interessantíssima brochura UM CASO DE DESMATERIALIZAÇÃO PARCIAL DO CORPO DE UM MÉDIUM, durante as quais a própria Sra. d'Esperance, que, ao contrario dos médiuns do mesmo gênero, que ficam em sono magnético (trance) durante o fenômeno, goza do singular privilégio de permanecer desperta e perfeitamente consciente, pode verificar que as extremidades inferiores de suas pernas haviam desaparecido. Esse facto foi comprovado por Aksakof e outros circunstantes que, apalpando o lugar em que deviam estar aqueles membros, só encontraram a parte correspondente do vestido e, por dentro, o vácuo.

            Isso prova que a materialização do espirito se opera a expensas da economia vital do médium, quer se trate de uma absorção de fluidos dessa natureza (que naturalmente lhe serão restituídos ao cessar o fenômeno, mas com alguma perda, que explica o cansaço, o abatimento que em geral acusam os médiuns depois de tais experiências, quer de uma paralela desmaterialização parcial de sua substância corpórea, como no caso mencionado, único - digamos de passagem - registrado, ao que sabemos, nos anais da experimentação espirita.

            De todo modo, o que parece evidente é que, utilizando-se daqueles elementos para se materializarem, os espíritos produzem, como o dizemos, uma destas operações: ou constituem peça por peça o organismo efêmero com que se apresentam, impregnado da substância do médium, com todas as suas propriedades físico químicas, e cujo modelo invisível acham a sua disposição (se o não fabricam, pondo em jogo as forças, porventura mentais, a que aludimos, mas que inda são desconhecidas): ou condensam com aqueles materiais, absorvendo-os, por um processo semelhante ao da encarnação, o corpo astral que ainda conservam e cuja forma concreta se torna então visível, com todas as possibilidades de um organismo humano.  

            E aqui dizemos "corpo astral" - e não "perispírito", para estabelecer intencionalmente uma distinção, que chegou o momento de fazer e que mais adiante será compreendida.

            Que esse corpo astral, duplo completo do organismo físico, subsista por um prazo mais ou menos longo após a desencarnação, segundo o grau coesivo de sua materialidade, não temos dificuldade em o compreender e admitir; mas - e aqui retomamos o fio de nossa argumentação anterior - que essa forma, intrínseca e extrínseca, permaneça definitiva e perpetuamente associada ao espírito, é o que nos não parece admissível, nem à luz da razão, intuitiva sobretudo, nem da experiência, em cujo domínio, neste crepúsculo matinal dos nossos conhecimentos a cerca do invisível, tão povoado ainda de obscuridades e mistérios, alguns lampejos de probabilidade pelo menos, começam a fulgurar, esclarecendo este e outros assuntos semelhantes.

            Demonstraremos. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário