Translate

domingo, 26 de março de 2017

Inquietude do mau, serenidade do justo


Inquietude do mau, serenidade do justo
J. J. Rousseau in Emile, liv. VI
Reformador (FEB) Agosto 1954


            Dizem que o grito do remorso pune, em segredo, os crimes ocultos  e que muitas vezes os coloca em evidência.  

            Ai! quem de nós, um dia, não ouviu essa voz importuna? Nosso desejo, sem dúvida,  é sufocar esse sentimento tirânico que tanto nos atormenta... O mau, dele se apavora e tudo faz por afugentá-lo, lança em torno de si olhares inquietos e busca alguma coisa que o distraia...

            Sem a sátira amarga, sem o gracejo insultante estará sempre triste. O riso escarnecedor é seu único prazer. No entanto, a serenidade do justo é toda interior, em seu riso, não se vislumbra  maldade alguma, apenas alegria, cujo manancial  ele próprio o conduz. Só ou em companhia de muitos está sempre alegre. Não tira para si o prazer que nos outros exista, porque ele é quem comunica aos demais a alegria que usufrui.



Nenhum comentário:

Postar um comentário