Translate

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

As razões do Movimento


As razões do Movimento
Sayão (Espírito) por Gilberto Campista Guarino
Psicografada na FEB, em reunião pública de 7-6-1974

            Quando o consolador foi derramado sobre a humanidade, sintetizado pela breve palavra de Allan Kardec, ninguém no mundo poderia suspeitar do que de magistral envolviam seus princípios.

            Houve, na época, ainda mesmo de parte de alguns dos que militavam no pioneirismo espiritista, uma imperfeita noção da amplitude da Revelação.

            Cada qual, sendo uma individualidade autônoma, pintava com as cores em que vivia as tendências e os postulados do Espiritismo. Alguns chegaram até mesmo a enxergar dogmatismo e ortodoxia. Não é estranhável que tal se passasse: nem sempre o homem esteve vinculado ao plano superior.

            Allan Kardec, no entanto, junto com a equipe que lhe secundava os esforços indizíveis, permanecia sereno e seguro, o leme à mão, dominado, embora as ondas tentassem destroçar lhe a embarcação. Agia Kardec conforme lúcido comandante, em cada porto revistando a tribulação, colocando o óleo na maquinaria, examinando a bússola e levando em consideração as necessidades de cada passageiro, como legítimas e respeitáveis. O navio, contudo, precisava prosseguir intacto, em meio aos ventos que a abominação da treva soprava pelos condutos da vaidade e do orgulho.

            O comandante - Kardec - permanecia no posto de máximo zelador da integridade da obra deposta em suas mãos. Cada um, no entanto, conservava sua liberdade, liberdade essa a que não eram permitidas quaisquer ingerências na sala de máquinas, na utilização das bússola e nas decisões do comandante. Respeitava-se a liberdade alheia, mas a liberdade alheia deveria sempre respeitar a inteireza do conjunto.

            Assim agia Kardec, consciente do papel que lhe cumpria desempenhar, ainda sob a tormenta de pedras, que lhe fustigava a alma. Comandante, no entanto, não lhe cabia estabelecer privilégios ou concessões. Todos contribuíam com seus pontos de vista, mas Allan Kardec - com ordens que  compreendiam os conceitos pessoais e mesquinhos - continuava a focalizar o desenvolvimento do que lhe havia sido confiado.

            Assim foi que entregou ao mundo o arcabouço firmado da Doutrina Espírita, junto a toda a equipe, onde trabalhava Roustaing, Léon Denis, Gabriel Delanne e Camille Flammarion, os imediatos pressurosos, prontos a atender ao superior, a qualquer momento.

            No entanto, passado o tempo terreno, o homem se encontra mergulhado num mar de confusões intensas. O navio, na Terra, não mais tem Kardec ao leme. Foi, porém, criada a instituição que leva o navio à frente, ainda que em mares revoltos.

            Eis a edificação de Ismael, incólume, com o qual todo o movimento, repetimos, tem ligação, ainda a mais distante e imperceptível. A Casa de Ismael, sempre nos mares da Terra, tem o seu comandante, com seus imediatos, com seus colaboradores diretos e indiretos, com seus auxiliares, com sua maquinaria, sua bússola e seu leme. Neste, no timão de seu proceder, está - no plano do espírito - Ismael por delegação do Comandante Supremo; e, na Terra, na parte mais grosseira da manifestação divina do Universo toda a equipe que detém, em confiança, as diretrizes do movimento.

            O navio, todo ele, é o movimento espírita.

            As vontades e os desejos - a liberdade -, todos merecem o respeito máximo, sendo honoráveis ao extremo.

            No entanto, a voz que fala mais alto não deve e não pode, decerto, permitir ingerências quaisquer na rota traçada pelo Senhor.

            Atualmente, ainda Kardec dirige a parte ampla que lhe toca na caminhada dos discípulos da Doutrina que codificou, da qual é, ele mesmo, um discípulo, porque o Espiritismo é doutrina de Cristo.

            Cada um, portanto, investigando sinceramente a própria consciência, presta favor imenso a todo o movimento porque, se todos estiverem compenetrados do dever a cumprir, o navio - que já ancorou em centenas de portos, no qual já embarcaram milhares de novos integrantes - singrará, em meio a cânticos de louvor, os mares agitados que por certo virão. Mas, se bem poucos apenas desejarem contribuir para a paz que precisa ser instalada, os mares se encapelarão mais e os homens criarão vagalhões destruidores que, embora jamais logrem levar o barco ao naufrágio, exigirão mais dores e sacrifícios do timoneiro e de toda a equipe, porque, para produzir o máximo, nada como a paz criada na bigorna, onde vivem flores, onde cantam as vozes dos anjos, auxiliando a vencer os obstáculos criados pela vaidade extrema, que grita, que mata com a letra, cegando os indivíduos, suas vitimas impenitentes, e impedindo-os de perceber o que é o Espírito.



Nenhum comentário:

Postar um comentário