Translate

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Obsessão



CONCEITO. - Distúrbio espiritual de longo curso, a obsessão procede dos painéis íntimos do homem, exteriorizando-se de diversos modos, com graves consequências, em forma de distonias mentais, emocionais e desequilíbrios fisiológicos.

            Inerentes à individualidade que lhe padece o constrangimento, suas causas se originam no passado culposo, em cuja vivência o homem, desatrelado dos controles morais, arbitrariamente se permitiu consumir por deslizes e abusos de toda ordem, com o comprometimento das reservas de previdência e tirocínio racional.

            Amores exacerbados, ódios incoercíveis, dominação absolutista, fanatismo injustificável, avareza incontrolável, morbidez ciumenta, abusos do direito como da força, má distribuição de valores e recursos financeiros, aquisição indigna da posse transitória, paixões políticas e guerreiras, ganância em relação aos bens perecíveis, orgulho e presunção, egoísmo nas suas múltiplas facetas são as fontes geratrizes desse funesto avassalador de homens, que não cessa de atirá-los nos resvaladouros da loucura, das enfermidades carregadas de síndromes desconhecidas e perturbadoras, do suicídio direto ou indireto que traz novos agravamentos àquele que se lhe submete, inerme, à ação destrutiva.

            Parasita pertinaz, a obsessão se constitui de toda ideia que se fixa de fora para dentro - como na hipnose, por sugestão, consciente ou não, como pela incoercível persuasão de qualquer natureza a que se deixa arrastar o indivíduo. Ou, de dentro para fora, pela dominadora força psíquica que penetra e se espraia no anfitrião que a agasalha e sustenta, vencendo lhe as débeis resistências.

            Originárias, às vezes, da consciência perturbada pelas faltas cometidas nas existências passadas e ainda não expungidas - renascendo em forma de remorsos, recalques, complexos negativos, frustrações, ansiedades -, impõe o auto supliciamento, capaz, de certo modo, de dificultar novos deslizes, mas ensejando, infelizmente, quase sempre, desequilíbrios mais sérios...

            Possuindo o homem os fatores predisponentes para o seu surgimento e fixação (os débitos exarados na mente espiritual culpada), faculta uma simbiose entre as mentes, encarnadas ou desencarnadas, mas de maior incidência na esfera entre o Espírito desatrelado do carro somático e o viandante da névoa carnal, constituindo tormento de larga expansão que, não atendido convenientemente, termina por atingir estados desespera dores e fatais.

            Sendo, todavia, a morte apenas um corolário da vida, em que aquela confirma esta, compreensível é que o Intercâmbio incessante prossiga, não obstante a ausência da forma física. Viajando pelo perispírito, veículo condutor das sensações físicas na direção do Espírito e, vice-versa, mensageiro das respostas ou impulsos deste no rumo do soma, esse corpo semi material, depositário das forças impregnantes das células, constitui excelente campo plástico de que se utiliza a Lei para os imprescindíveis reajustes daqueles que, por distração ou falta de siso, desrespeito ou abuso, ambição ou impiedade, se atrelaram às malhas da criminalidade.

            O comércio mental funciona em regime de amplas perspectivas, seja no plano físico, seja nas esferas espirituais; ou reciprocamente.

            Não sendo necessário o cérebro para que a mente continue o seu ministério intelectual, constituindo o encéfalo tão-somente o instrumento de exteriorização física, mentes e mentes ligam-se e desligam-se em conúbios contínuos, incessantes, muito mais do que seria de supor-se.

            O que é normal entre os homens não muda após o decesso corporal.

            Há sempre alguém pensando noutrem. O estabelecimento dos contatos como a continuidade deles é que podem dar curso aos processos obsessivos ou plenificadores, consoante seja a fonte emissora.

            Através da Física moderna, em ligeiro exame, podemos constatar que, à medida que a matéria foi perquirida, experimentou desagregação, até quase total extinção da ideia de estrutura.

            Dos conceitos medievais aos hodiernos, há abismos de conhecimento, viandando da constituição bruta à quintessência. Em consequência, a Terra e tudo que nela se encontra ora se convertem em ondas, raios, mentes, energias.

            Da ideia simples, que insiste, perseverante, à fascinação estonteante, contínua, até à subjugação vencedora, a obsessão é, em nossos dias, o mais terrível flagelo com que se vê a braços a Humanidade...

            Espocando em condições próprias, quais cogumelos bravos e venenosos, multiplica-se assustadoramente, conclamando-nos todos à terapêutica imediata, cuidadosa, e a medidas preventivas, inadiáveis, antes que os palcos do mundo se convertam em cenários nefandos de horror e desastre.

            DESENVOLVIMENTO. - A História é testemunha de obsessões cruéis.

            Atormentados de todo porte desfilaram através dos tempos, vestindo indumentárias masculinas e femininas, em macabros festivais, desde as guerras sanguissedentas a que se entregavam às dominações mefíticas, cuja evocação produz estupor nas mentes desacostumadas à barbárie.

            Não somente, todavia, nos recuados tempos do passado.

            Não há muito, a Humanidade foi vítima da fúria obsessiva dos apaniguados do racismo hediondo, que nos campos de concentração de diversas nações modernas, praticaram os mais selvagens e frios crimes contra o homem e a sociedade, consequentemente, contra Deus.

            Isto porque a obsessão não se desenvolve somente nos chamados meios vis, em que imperam a ignorância, o primitivismo, o analfabetismo, os sofrimentos cruciais. Medra, também, e mui facilmente, entre os que são fátuos, os calculistas e imediatistas, neles desdobrando, em virtude das condições favoráveis da própria constituição espiritual, os sémens da perturbação que já conduzem interiormente.

            Estigma a pesar sobre cabeças coroadas, a medrar em berços de ouro e nácar, a fustigar conquistadores, a conduzir perversos, esteve nos fastos históricos aureolada de poder e ovacionada pela febre da loucura, condecorando homicidas e destruindo-os depois, homenageando bárbaros e destroçando-os em voragens nas quais se consumiam, em espetáculos inesquecíveis pela aberração de que davam mostras.

            Ferrete cravado em todos aqueles que um dia se mancomunaram com o crime, aparece nas mentes e corpos estio lados, arrebentando-se em expressões teratológicas dolorosas, exibindo as feridas da incúria e da alucinação.

            Não apenas no campo psíquico a obsessão desarticulou, no passado, heróis e príncipes, dominadores e dominados, mas, também, nas execrações físicas de que não se podiam furtar os criminosos, jugulando-os às jaulas em que se fazia necessário padecerem, para resgatar.

            Hoje, em pleno século da tecnologia, em que os valores éticos sofrem desprestígio, a benefício dos valores sem valor, irrompe a obsessão caudalosa, arrastadora, arrancando o homem das estrelas para onde procura fugir, a fim de fixá-lo ao solo que pensa deixar e que se encontra juncado de cadáveres, maculado de sangue, em decomposição, apodrecido pelo escárnio, face às suas múltiplas e incessantes desídias.

            OBSESSÃO E JESUS. - Ensinando mansuetude e renúncia, quando o mundo se empolgava nas luzes de Augusto; precedido pelos arregimentadores da paz e da concórdia, que mergulharam na carne para lhe prepararem o advento, Jesus viveu, todavia, os dias em que a força estabelecia as bases do direito e o homem era lacaio das paixões Infrenes, vitimado pelas loucas ambições da prepotência e das guerras.

            Embora as luzes do pensamento filosófico de então, a espocarem em vários rincões, o ser transitava, ainda, das expressões da selvageria à civilidade, acobertado por vernizes tênues de cultura, em que o orgulho vão mantinha supremacia, dividindo as criaturas em castas e sub castas, a expensas de preconceitos mui enganosos.

            A sua mensagem de amor, no entanto, sobrepairou além e acima de todas as conceituações que chegaram então, e a força do seu verbo, na exemplificação tranquila quão eloquente de que se fez expoente, abalou a pouco e pouco os falsos alicerces da Terra, injetando estrutura salutar e poderosa sobre a qual ergue, há vinte séculos, o Reino da Plenitude.

            Nunca se escutara voz que se lhe semelhasse. Jamais se ouviu canção que transfundisse tal esperança.

            Outra vez não voltaria o murmúrio sublime de tão comovedora musicalidade.

            Ninguém que fizesse o que ele faz.

            Nenhuma dádiva que suplantasse a que ele distribuiu.

            Pelo tanto que é, tornou-se também o Senhor dos Espíritos, penetrando os meandros das mentes obsidiadas e arrancando de lá as matrizes fixas, por meio das quais os Espíritos impuros se impunham àqueles que lhes estavam jugulados pelos débitos pesados do pretérito.

            Não libertou, no entanto, os obsidiados sem lhes impor a necessidade de renovação e paz, por meio das quais encontrariam o lenitivo da reparação da consciência maculada pelas infrações cometidas. Nem expulsou, desapiedadamente, os cobradores inconscientes. Antes, entregou-os ao Pai, a Quem sempre exorava proteção, em inigualável atitude de humildade total.

            Apesar disso, os que o cercavam fizeram-se, por diversas vezes, instrumento de obsessões temporárias, a fim de que pudéssemos compreender, mais tarde, a nossa própria fragilidade, afastando assim pretensões a regimes de exceção.

            Enérgico ou meigo, austero ou gentil, cônscio da sua missão, ensinou que a terapêutica mais poderosa contra obsessões e desgraças é a do amor, pela vivência da caridade, da renúncia e da auto sublimação.

            Prevendo o futuro de dores que chegaria mais tarde, facultou-nos o Consolador, para que todos que "nele cressem não perecessem, mas tivessem a vida eterna." 

            Enquanto as luzes da cultura parecem esmaecidas pelo sexo em desconcerto, de que se utilizam os Espíritos Infelizes para maior comércio com os homens; pelos estupefacientes e alucinógenos em báratro assustador, que facultam mais amplas possibilidades ao conúbio entre os Espíritos dos dois lados da vida; pela aflição na conquista da posse, que estimula o exercício exagerado de paixões de vário porte; pela fuga espetacular à responsabilidade, que engendra o desrespeito e acumplicia o homem às torpes vantagens da carne ligeira; pela desesperação do gozo de qualquer matiz, que abre as comportas do vampirismo destruidor - o Consolador chega lucilando ao mundo e acenando com novos métodos de paz para os que sofrem, e esses sofredores somos quase todos nós.

            Obsidiados, obsessões, obsessores!

            Ei-los em toda parte, para quem os pode identificar.

            Em arremedos de gozadores, padecem ultrizes exulcerações íntimas.

            Sorrindo, têm a face em esgares.

            Dominando, se revelam vencidos por Incontáveis mazelas que brotam de dentro e se exteriorizam, mais tarde, em feridas purulentas, nauseantes.

            Mais do que nunca, a oração do silêncio e a voz da meditação, no rumo da edificação moral, se fazem tão necessárias!

            Abrir a mente à luz e o coração ao amor, albergando a família padecente dos homens, de que fazemos parte, é o impositivo do Cristo para todos os que creem e, especialmente, para os espiritistas, que possuímos os antídotos eficazes contra obsessões e obsessores, com o socorro aos obsidiados e seus perseguidores, sob a égide de Jesus.

Obsessão
Joanna de Ângelis
por Divaldo Franco

Reformador (FEB) Outubro 1972

Nenhum comentário:

Postar um comentário