Translate

sábado, 29 de agosto de 2015

Deus escreve certo por linhas certas



            Dizem que Deus escreve certo por linhas tortas.

            Não podemos concordar com semelhante pronunciamento; e assim agimos porque as atitudes de Deus são, em primeiro lugar, perfeitas; se são perfeitas, são também absolutas; e, em segundo lugar, não nos cabe qualquer tentativa de julgamento desses procederes.

            Ora, o homem sempre sentiu o peso de suas faltas sobre o seu próprio coração, o jugo pesado de seus deslizes sobre si próprio. E esses erros, esses deslizes, foram produtos exclusivos de sua desídia, de sua revolta, de sua inconsequência. Se ele é desidioso, revoltado e inconsequente, convenhamos que quem é torto é precisamente ele. Por isso nossa discordância aqui apresentada. Deus escreve certo, por linhas certas.

            Ora, tudo isso veio em razão de algumas ilações em altas vozes que tivemos a oportunidade de ouvir e que, por certo, não passam de frutos de algum problema um pouco mais aflitivo, daqueles que fazem com que o indivíduo ache que tudo na Terra está errado e que “se houvesse acontecido assim, o resultado teria sido aquele outro”. Tenhamos cuidado antes da emissão de nossos conceitos, porque a sabedoria popular também afirma que a pressa é inimiga da perfeição. Aqui, sim, nada mais correto e lógico.

            O que ouvimos foi, simples e puramente, a afirmação categórica de que Allan Kardec deveria ter retornado à Terra bem antes de quando o fez, visando a evitar uma série de problemas que lhe entravaram a livre caminhada. Pensamento dez vezes errado. Qual espírita poderá contestar as pequenas provações a que somos diariamente submetidos, com vistas ao fortalecimento do autocontrole e da paciência? Logo, Allan Kardec - qualquer que fosse a época da sua feliz presença entre nós - encontraria óbices variados, comuns a todos os habitantes do planeta.

            No entanto, esse comentário que ouvimos levou-nos a pesquisar um pouco mais sobre a época do Codificador, as tensões, os desejos e as carências da sociedade do século XIX.

            Fomos buscar livros que bem retratassem o clima de ideias daqueles tempos e, dentre muitos, escolhemos para aqui focalizar a obra “A Propósito do Homem e o Desenvolvimento de suas Faculdades”, ou “Ensaio de Física Social”, elaborado por A. Quetelet, edição de Bachelier, Paris, 1835. O autor, assinando um prefácio aos 15 de abril do mesmo ano, ressalta a importância das pesquisas estatísticas para que bem se conheçam os anseios de uma época, bem como suas dificuldades. Diz ele: “Ouso acreditar em que encontraremos algum atrativo nessas pesquisas, bem como soluções naturais de muitos dos problemas e importantes questões que foram ventilados nesses últimos tempos.”

            De fato. Esse conhecimento é indispensável para o bom entendimento do homem em si mesmo. No século iluminado pelo Positivismo de Auguste Comte, aonde se ensaiava o férreo raciocínio de um Littré, as hipóteses absurdas eram rechaçadas. Mas não seria hipótese absurda o fato de que as ações humanas se acham submetidas a leis que as regulam. É o que o autor examina a páginas 4 da mencionada obra. Propõe, logo de início, sejam os diversos aspectos da coletividade examinados em seu conjunto, de modo que se tenha um acervo de fatos comprobatórios daquilo que se pretende demonstrar, sem que sobre o tema pairem dúvidas ridículas, de deficiente desenvolvimento do raciocínio empregado. (1) Eis o que nos diz Quetelet:

                (1) Método utilizado por Camille Flammarion: qualidade e quantidade.

            “Quais seriam nossos conhecimentos a propósito da mortalidade da espécie humana, se apenas houvéssemos observado alguns indivíduos? Ao invés de leis admiráveis, às quais essa mortalidade estaria submetida, mais não teríamos do que uma série de fatos incoerentes, que não permitiria qualquer suposição a respeito da marcha ordenada da natureza.”

            “O que dizemos da mortalidade humana também o dizemos das faculdades físicas do homem e até mesmo de suas faculdades morais. Se desejamos adquirir o conhecimento das leis gerais às quais essas últimas estão submetidas, precisaremos reunir grande número de observações.”

            Eis aí: leis morais sujeitas ao estudo da criatura humana; atitudes do indivíduo vinculadas diretamente a leis universais. Em resumo: a Lei da Evolução.

                Mais adiante, a páginas 13, o autor admite claramente o fato de que o homem se acha submetido a causas, em sua maior parte regulares e periódicas. Notem-se os programas da evolução do indivíduo e da sociedade, encarada em sua feição mais aberta e mais grandiosa. Essas causas regulares e periódicas nada mais são do que as tendências e características de cada espírito e, no plano social, o conjunto de tendências e de características dos grupos. Mais largamente seriam, ainda, as necessidades de toda a humanidade, estudadas as afinidades dos grupos humanos que a compõem.

            A preocupação com o índice de criminalidade é também clara, patente e inegável. E o que se observa e retira da exposição criteriosamente elaborada pelo autor (mapas, gráficos, estimativas) é o funcionamento da lei de conservação, em suas profundas vinculações com a lei de destruição, ambas - como as demais - estudadas com rara profundidade em “O Livro dos Espíritos”.

            Outro problema levantado com muita precisão é o da previsão de recursos humanos para o atendimento à demanda dessas mesmas leis em funcionamento, o que, de certo modo, percebe-se, atemoriza Quetelet. Como prevenir as dificuldades que o bom senso e a lógica apontavam como assaz próximas? O mundo começava, então, a viver uma época de renascimento espiritual.

            O que vemos atualmente - matanças, desastres que nos tocam o coração, fome em alto grau, neuroses diversas, fobias, desregramentos, inversão de valores - não são mais do que os últimos gemidos do inconformismo, os gritos derradeiros da rebeldia. Mas o renascimento de que falamos inicia-se precisamente com esses gritos, com essas fobias e com essa dilacerante inversão de valores. O renascimento, para que exista e seja operante, implica reforma autêntica, reforma íntima, desejo verdadeiro de viver os preceitos do Evangelho de Nosso Senhor Jesus-Cristo, em espírito e verdade.

            Por isso, não podemos dizer que a mudança operou-se em momento inoportuno. O que se observa, no sábio traçado do plano espiritual, é um recrudescimento das angústias e dos problemas e a subsequente vinda do Consolador prometido por Jesus: o Espiritismo, codificado pela nobre figura de Allan Kardec, um jato de luz nos anseios do mundo.

            Assim, o livro de A. Quetelet mostra, com insofismável clareza:

            1. que o século XIX foi importantíssimo ponto no desenvolvimento dos planos da Espiritualidade, sob o governo de Jesus, para o mundo;

            2. que esses planos são, de modo bem amplo, aquelas causas regulares e periódicas que influem sobre a espécie humana;

            3. que o alto grau de racionalidade do século foi condição “sine qua non” ao entendimento da Revelação do Espiritismo pelo homem;

            4. que essa Revelação, aproveitando-se do raciocínio positivista de Auguste Comte, lançou sobre ele o puro sentimento do Evangelho do Cristo, coibindo-lhe os abusos;

            5. que o estudo metódico das leis que regem a espécie humana é glorioso portão que mostra a luz de um sol de poucos ainda conhecido: o foco da Paz em Deus;

            6. que existe ordem no Universo e que essa ordem é total;

            7. que essa amplitude, refletindo na Terra, gera o desejo de conhecimento que caracteriza o homem.

            E a Revelação Espírita, que a obra reduzidamente analisada demonstra ser uma verdadeira necessidade, surge mais uma vez como resposta aos anseios e carências que, analisados pelo homem, em livros como o focalizado, respondem ao homem a realidade da vida: a própria vida.

            As preocupações do século XIX, que sempre foram as do mundo (o homem sempre almejou a paz, mas poucas vezes soube encontrá-la), encontram-se plenamente respondidas pela Doutrina Espírita, no momento exato, quando se  iniciou o renascimento espiritual da Terra. Esse renascimento prossegue; cooperemos com ele, porque o Senhor da Vida a ele preside.

            Logo, Deus escreve certo por linhas certas; os tortos somos nós; e Allan Kardec veio no momento exato, respondendo às diretrizes do Alto para o homem e pelo homem. Além disso, ele sempre estará conosco. E, além dele, e com ele, existe o Mestre dos mestres, aquele que nos espera.

            Sim... Deus escreve certo por linhas certas... Os tortos somos nós mesmos.

Deus escreve certo por linhas certas
Gilberto Campista Guarino

Reformador (FEB) Setembro 1974

Nenhum comentário:

Postar um comentário