Pesquisar este blog

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Helil e Ismael - Luminosa Aliança



Luminosa Aliança – De Mãos Dadas
 Helil e Ismael


Reformador (FEB)  Fevereiro 1980




            Como é do conhecimento de todos os que têm acompanhado pelo "Reformador" e demais órgãos da Imprensa Espírita, esteve em nosso país no mês de novembro e até 12 de dezembro, D. Maria Raquel Capeta Alvarez Duarte Santos, Vice-Presidente da Federação Espírita Portuguesa, em visita à FEB e também para participar, a convite desta e da ABRAJEE, e como representante daquela Federação coirmã, do VII Congresso de Jornalistas e Escritores Espíritas.

            Foi edificante para todos os seus confrades brasileiros, a presença e as manifestações dessa lídima representante do Movimento Espírita Português.

            Em "Notícias Diversas", vão referidos, já neste número de nossa Revista, alguns dos muitos contatos mantidos pela nossa visitante com diversas entidades espíritas brasileiras e de suas múltiplas atividades em nosso país.

            Neste momento queremos apenas tornar conhecido o teor das mensagens que, motivadas peio estreitamento dos laços fraternais entre o Brasil e Portugal espíritas, e ensejados pela visita da nossa caríssima irmã, foram dadas em sucessivas sessões do "Grupo Ismael", na Federação Espírita Brasileira.
             Eis as mensagens, na ordem em que foram recebidas.

LUMINOSA ALIANÇA

            Do País da Luz,  contemplo, desvanecido, as luzes magníficas que clareiam os nossos terrenos países e que neste glorioso instante se entrelaçam, qual se fora para ainda mais liga-los através da ponte multicolorida de um arco-íris de amor.

            Dir-se-á, talvez, que não é deles que nascem e se projetam esses maravilhosos raios; que toda a luminosidade terrestre deriva da grande lâmpada solar e não passa de simples reflexos; que tudo na face do orbe é ilusão, clareada pelo esplendor do Sol, apesar da condição opaca de nosso pobre planeta.

            Sim, dir-se-á tal, quem sabe? Nada obsta, porém, que a luz da grande estrela tudo vivifique e faça resplander; que nasça, cada dia, uma manhã festiva que as flores desabrochem, ridentes, nos hastis, e que os frutos amadurem nas árvores fecundas.

            Nada obsta, igualmente, que o Amor Solar do Cristo seja refletido pelas almas sinceras e plenas de ideal, o que esses reflexos, de sublimada beleza, espanquem, sobranceiros e vitoriosos, os novelos de treva que tanta vez ameaçam a face de nossos alcantis.

            Se Ismael e Helil se entrelaçam na luz de excelsa fraternidade e erguem, Juntos ao Arcanjo Supremo, o pensamento em prece, o mover de seus braços intangíveis cria jorros de tão Intraduzível claridade, que nenhum Sol físico jamais conseguiria fabricar.

            Portugal e Brasil, fiéis à augusta missão que o Mestre Excelso lhes assinalou, no Tempo e na História, selam agora portentosos compromissos de fundação evangélica, à face de todo um porvir que desde já se parteja, no berço generoso de uma aliança de trabalho comum e amor construtivo.

            Felizes operários, em serviço nestas terras benditas, neste momento de glórias indizíveis, somos naturais beneficiários dessa alvorada que jamais entardecerá, ainda que nuvens gigantescas possam temporariamente dar a impressão de noite irreversível.

            Avante, pois, Amigos e Irmãos, na faina abençoada que o Grande Arquiteto comanda do Infinito!

            Do chão da nossa solidariedade fraterna e alma, se erguerá um mundo novo - a Nova Jerusalém que nunca será destruída.

Fernando de Lacerda

Hernani T. de Sant'Anna,

em  22-11-1979, no "Grupo lsmael",
na FEB, no Rio de Janeiro-RJ.)



DE MAOS DADAS

            Oiço dizer, frequentemente, desde tempos, que o Velho Mundo se esboroa; e, quando em vez, guardo a dolorosa impressão de haver sentido, no tom em que se vaza tal afirmativa, um laivo de ironia ou menosprezo. Entendo justíssimo se acalente a jubilosa esperança, e mais do que esperança, a gloriosa certeza da venturosa missão do Novo Mundo, à frente do próximo milênio que rapidamente se avizinha; entretanto, não acolho no coração que se desmereça o berço onde nasceu a nossa civilização ocidental, regada com as lágrimas dos santos e com o sangue dos mártires.

         Se a lógica mais rudimental repudiaria qualquer desperdício na economia de qualquer processo vital, carece de sentido, no campo de nossas cogitações espirituais, o mais leve pressuposto de inutilidade ou de descrédito, quando se trata de um ninho de povos de rica cultura e honoráveis tradições.

         De muito longe amo as gentes do meu Portugal, da França e da Itália, não por excesso de sentimento em relação à minha velha Pádua, mas porque, ao longo dos horizontes de toda a Europa, meu Espírito sempre se derramou de ternuras pelas gentes irmãs que nela habitaram e habitam.

         Esse amor não foi jamais exclusivista, porquanto nada pode limitar-se no serviço dos ideais do Cristo a quem seguimos.

         Tive a ventura de sentir a beleza e a glória dos céus e das terras deste mundo novo, nas plagas de Santa Cruz. Também aqui fui sacerdote, aqui fui pregador e fui Antônio.
        
          Lembram-me ainda pelos sermões que proferi, pelo que deixei registrado, pelo que contam,  até agora, do meu famoso "estalo". Preferiria que me recordassem peio amor com que amei e pelo fervor com que busquei servir aos nossos ideais maiores.  

         Perdoem-me se meu falar de agora dá impressão de que prezo as justificativas pessoais ou me interesso por colocações palavrescas.

         Na verdade, em nada se me dá o juízo humano, na atribuição de santidades a que me não candidatei, ou na critica, nem sempre isenta, aos meus dizeres.

         O que me faz aqui vir, e de novo grafar letras no papel terrestre, é o imenso desejo de cooperar nesta sublime Cruzada do Evangelismo Espírita, que brasileiros e portugueses organizam, para a conquista final do mundo para o Cristo.

         Nesse tecer da um novo esquema, a Europa é o primeiro objetivo, ao lado das Américas, sem que isso signifique qualquer preterição aos outros Continentes.

         Aqueles povos sofridos e idealistas, que experimentarão, muito em breve, o fogo terrível das supremas provações, merecem e precisam receber, com urgência, o socorro da Nova Mensagem do Mestre Imortal.

         Peço-lhes que não pensem em Civilizações ou povos que se substituem, mas em povos e civilizações que se Irmanam e se somam, para a grande batalha da Luz.

         Não há Mundo Velho o Mundo Novo. O mundo é um só. E nossos povos não se haverão de sobrepor-se ou suceder-se, mas de trabalhar, de mãos dadas, sob as bênçãos excelsas de Jesus.

Antonio

Hernani T. de Sant’Anna
FEB-Rio, em 29 da novembro de 1979



HELIL E ISMAEL

            Irmãos e filhos em Nosso Senhor Jesus-Cristo, a paz seja convosco.

         O amor é a lei, que pressupõe ordem e harmonia para a vida. Por Isso, em todas as dimensões do universo, as forças que dirigem a Natureza, sob o influxo divino, asseguram, através de insuspeitados mecanismos, o equilíbrio indispensável, dosando as tensões e prevenindo excessos de predação dos instintos em conflito.

         Nas esferas superiores, os Gênios dos Povos organizam a ação Inteligente que protege a existência em todos os quadrantes do orbe, de tal modo que, sem jamais inibir a ação de nenhum ser, garantam a continuidade do progresso.

         Eis por que a maldade, filha da ignorância, não conseguiu levar a subversão da ordem das coisas até além de limites suportáveis para as coletividades humanas. O Céu sempre velou, solicito, por todos.

         Atingimos, porém, aquele patamar da evolução comum, em que a necessidade de crescimento impõe decisivas ascensões, para que a marcha sublime para os píncaros não cesse. Nessa hora, a Infinita Misericórdia do Eterno Pai supera os  condicionamentos normais da ordem costumeira, a fim de que ninguém deixe do receber o estímulo santo de todas as oportunidades de redenção.

         Para um equilíbrio em nível mais alto, as tensões devem mediar-se na plenitude das forças dinâmicas, de modo que a luz triunfante seja a alvorada a nascer do bojo oculto da noite.

         De repente, abrem-se as comportas das contensões habituais e os vales infernais, rasgados pelo poder da permissão de Mais Alto, dão acesso à luz do dia, na superfície da Crosta Planetária, a todos os que se esconderam nos abismos.


         Então, um caos aparente parece, aos mais tímidos ameaçar a estabilidade da Civilização e pejar o mundo de sombras.

         A resistência dos operários do Bem não pode, porém, ser temerosa e defensiva, como se o jejum e a penitência devessem ser a antevéspera da rendição.  Muito ao contrário, os infantes de Jesus precisam erguer bem alto o estandarte do amor que age e constrói, sereno e confiante.

         Se as comunidades humanas multiplicam agora as suas necessidades de socorro e de luz, os seareiros do Senhor estarão a postos, na vanguarda de todas as posições para levar a todos os Espíritos o remédio e a consolação dos Evangelhos.

         O Divino Condutor convoca, nesta hora, as primícias das Nações, para a conquista do mundo para Deus.

         Coragem, pois, meus filhos. Que a vossa fé, tantas vezes provada na luta e na adversidade, vos leve, nos novos mares da Graça, à Suprema Glória de erigir, na Terra, o Tabernáculo Divino.

         Agora, Glorioso lsmael,  peço-te permissão para ajoelhar-me no chão da tua Casa e rogar ao Cristo Celeste que proteja e abençoe o meu povo e o teu povo. Que juntos e irmanados possamos ser fiéis  à nossa velha vocação de serviço, e que, na nova Cruzada que todos empreendemos, vença, em toda parte, o Amor de nosso Pai.

Helil

            (Mensagem recebida no "Grupo Ismael", da Federação Espírita Brasileira, no Rio de Janeiro-RJ , aos 6 de dezembro de 1979 pelo médium Hernaní T. Sant'Anna. Estava presente como convidada do Presidente da FEB,  D. Maria Raquel Capeto AIvarez Duarte Santos, Vice-Presidente da FEDERAÇÁO ESPIRITA PORTUGUESA, a representante do Movimento Espírita Português, visitando a FEB e o Movimento Espírita Brasileiro, inclusive  "VII Congresso de jornalistas e Escritores Espíritas”, realizado, de 15 a 18-11-1979, no Rio de Janeiro-RJ, sob o  patrocínio da Federação Espírita Brasileira e promoção  da Associação Brasileira de Jornalistas e Escritores Espíritas - ABRAJEE.)


Nenhum comentário:

Postar um comentário