Translate

sábado, 2 de agosto de 2014

Deveres Sociais


Deveres Sociais

Ismael Gomes Braga

Reformador (FEB) Novembro 1962

            O Espiritismo não se detém nas fronteiras da sociologia materialista, porque proclama a continuidade da vida social depois da morte do corpo.

            No capítulo 41 de "Justiça Divina" lemos que há bens que não podem ser monopolizados por ninguém, por serem patrimônio comum de todos, justamente como reconhecem os socialistas de todas as escolas, mas, onde estas encontram suas fronteiras intransponíveis, o Autor continua, porque a sociedade humana é muito mais vasta e sensível do que o Materialismo supõe.

            Leiamos algumas linhas:

            "Não retenhas, assim, os valores que entesouraste.
            Não desconheces que o pão excessivo é o prato do vizinho em necessidade.
            Entretanto, há diferentes recursos por dividir.
            Ladeando mesas fartas, há corações semi sufocados no desespero.
            Por trás dos gestos que te golpeiam, há tramas obscuras de obsessão.
            Na retaguarda dos crimes que te revoltam, há influências que não desvelas, de pronto."

            Vivemos fazendo amigos ou inimigos, pela nossa conduta, e esses amigos ou inimigos não morrem, como parece aos materialistas; eles continuam no Além-Túmulo colaborando para nossa felicidade ou desventura, com seus pensamentos e sentimentos, como nossos protetores ou perseguidores.

            Os problemas urgentes do pão, da habitação e da instrução são proclamados pelos socialistas e a sociedade vai caminhando a passos rápidos para resolvê-los. Há países que efetivamente já não conhecem tais problemas, como a Suécia, a Dinamarca, a Suíça e outros; mas a sociologia espírita não se detém aí, reclama a continuação dos esforços: - o amor a todos os seres, a colaboração dos dois mundos, do visível com o invisível.

            Esse belo capítulo 41 se encerra com estas linhas:

            "Felicidade, no fundo, é bondade crescente, para que a alegria se faça maior. E, sem dúvida, todos nós podemos dividir parcelas de bondade e alegria, mas a multiplicação vem dos outros.”

            "Justiça Divina" é um código de boa conduta que todos devemos conhecer e pôr em prática.


Nenhum comentário:

Postar um comentário