Translate

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Vinte Anos

Vinte Anos
Irmão X
por Chico Xavier
Reformador (FEB) Janeiro 1955

            Realmente, meu amigo, em Dezembro de 1934 abandonei o corpo apressadamente, à maneira do inquilino despejado de casa, por força de sentença inapelável, que, em meu caso, era o decreto da morte.

            E você pergunta. por minhas impressões da vida espiritual durante “todo esse tempo" que, à frente da Eternidade, não tem qualquer significação.

            Sinceramente, não tenho muito a dizer.

            O homem que desencarna sem as asas do gênio sublimado na fé e na virtude assemelha-se, de algum modo, ao navegador do século XVI que, descobrindo novas terras, plantava o domicílio no litoral, incapaz de romper os laços com a retaguarda, e seguir, gradativamente, na direção do imenso desconhecido.

            Novidades por novidades tenho visto inúmeras.

            Assim como um selvagem dos trópicos pode ser transportado até às vizinhanças do polo, a fim de extasiar-se com o glorioso espetáculo da aurora boreal, sem compreender lhe o jogo de luz, assim também tenho contemplado paisagens maravilhosas de outros mundos, sem, contudo, entender-lhes a magnificência.

            Terminado o estímulo da excursão educativa, eis-me de volta ao solo áspero de minhas experiências, no qual devo cultivar os valores do porvir.

            Você será naturalmente induzido a indagar quanto ao pretérito. Atravessando a criatura múltiplas existências, de outras vezes terei igualmente regressado ao campo espiritual e, por isso, não posso estar pisando um terreno desconhecido...

            Ainda assim, não suponha que algumas peregrinações na carne possam valer grande coisa, quando nosso esforço na própria elevação não seja indiscutivelmente muito grande.

            Viajamos no oceano das forças físicas, tornando a velhos continentes da recapitulação por alguns lustros apenas e regressamos ao litoral, a fim de prosseguir na construção das bases de progresso e segurança que nos habilitarão, um dia, aos altos cimos.

            Por enquanto, é preciso vencer obstáculos e sombras, dificuldades e inibições no pais de mim mesmo, para caminhar da animalidade, que ainda me caracteriza, à humanidade real de que ainda me vejo distante. E, nesse trabalho, não há muito gosto de alinhar notificações e surpresas, porque, tanto aí quanto aqui, não é fácil modificar a química do pensamento, com vistas à própria renovação.

            Desnecessário é comentar nossas organizações e deveres.

            Toda uma literatura copiosa e brilhante, nos mais diversos centros do mundo, revelam hoje os processos evolutivos da Terra Melhorada, onde presentemente me encontro, sem o pesado escafandro das células enfermiças, e, por essa razão, você deve saber que vivem errantes aqui somente os que aí pervagavam, entre a ociosidade e a indisciplina; que apenas se precipitam nas trevas infernais os que, no mundo, já haviam organizado um inferno em suas cabeças, e que os seres angélicos passam por nós, só de relance, com destino às Alturas a que fizeram jus. .

            Quanto a nós, pecadores penitentes e almas de boa vontade, estamos marchando, posso a passo; na elevação de nós mesmos, entre o céu que sonhamos e o inferno que nos cabe evitar.

            O comboio da morte diariamente derrama viajores de todos os quilates, em nossa estação. Não raro, observo antigos companheiros do mundo, apeando aqui sob as farpas do sofrimento, mastigando resíduos de extremas desilusões. São amigos que choram o ouro que não puderam trazer, que suspiram o poder ou a evidência social de que o sepulcro os despojara, que deploram o tempo perdido em atividades inúteis ou que enlouquecem, tentando debalde reaver o corpo bem cuidado que o túmulo apodreceu...

            Não julgue que a recuperação seja obra de segundos.

            Resignação, coragem, compreensão, paciência e valor moral não constituem artigos adquiríveis no estoque alheio. Representam qualidades que todos somos constrangidos a edificar no mundo que nos é próprio, ao preço de nossa renunciação e de nossas lágrimas.

            A única nota diferente que possuo em meu círculo individual é a que se refere à minha adesão intelectual ao Evangelho, sob a luz do Espiritismo. Digo “intelectual", porque ainda estou trabalhando o coração, como o lapidário burila a pedra, a fim de ofertá-lo efetivamente ao Senhor.

            E não diga que a minha conversão surge tarde demais, porque assim como o esforço de vocês no bem é valioso investimento de recursos para a existência daqui, a nossa tarefa nessa direção capitaliza em nosso favor preciosas oportunidades para o estágio que aí faremos de futuro, de vez que, em tempo oportuno, estarei de novo entre os homens, tanto quanto você estará igualmente entre os Espíritos desencarnados.

            Como reparamos, vinte anos de vida espiritual são poucos dias para a restauração e para o reajuste, porque a dor e a experimentação, a prova e a luta ainda permanecem conosco, à feição de instrutores, que não podemos menosprezar.

            Não se aflija nem se desconsole, porém, diante de minha confidência fraternal.

            Trabalhe e estude, ame e instrua-se, fazendo o melhor que puder no mundo, e, se você retém qualquer dúvida em torno de minhas afirmativas, em breve você mesmo estará aqui, depois de passar as fronteiras do túmulo, a fim de melhor sentir a vida com o coração e apreciar a realidade com os próprios olhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário